Avigan ainda aguarda aprovação do Japão como tratamento para coronavírus

Otimismo diminui, visto que ensaios clínicos falham em produzir resultados definitivos.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Prova da eficácia do Avigan, cujo nome genérico é favipiravir, em curar pacientes da Covid-19 continua fora de alcance (NHK)

A aprovação do antiviral Avigan, medicamento candidato para tratar infecções por coronavírus, foi adiada pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar até junho ou depois.

Publicidade

O atraso frustrou as esperanças de muitos, incluindo o primeiro-ministro Shinzo Abe que, anteriormente, disse que “visava aprovação até o fim de maio”. Isso ocorre porque a eficácia do medicamento como tratamento para coronavírus ainda não foi provada.

Nesse meio tempo, o Avigan continuará passando por ensaios clínicos e pesquisa.

O Ministro das Saúde, Katsunobu Kato, disse em uma coletiva de imprensa na terça-feira (26) que o ministério havia “assumido” que o Avigan seria aprovado “se sua alta eficácia for mostrada em análise preliminar de estudos clínicos”.

Pesquisa clínica vem sendo conduzida pela Universidade de Saúde Fujita e outras organizações desde março, as quais testaram a eficácia do Avigan em pacientes com sintomas leves ou assintomáticos.

Uma análise preliminar cobrindo 40 pacientes feita por uma organização terceirizada declarou que “é muito cedo para avaliar (a eficácia do Avigan)”. É improvável que a organização termine a pesquisa até junho ou depois.

Uma fonte familiar ao assunto disse, “sabemos por estudos conduzidos até agora que eficácia drástica não é esperada”.

Cerca de 80% de pacientes de coronavírus parecem se recuperar sem medicamentos. E é difícil determinar a eficácia do remédio quando comparado a pacientes com sintomas leves que foram medicados com Avigan com aqueles que não foram.

A Fujifilm Toyama Chemical, que desenvolveu o Avigan, também está procedendo com ensaios clínicos para verificar sua eficácia.

Em resposta à decisão do ministério da saúde em não aprovar o Avigan até o fim de maio, a empresa principal Fujifilm Holdings disse que “continuará os esforços com autoridades e buscará aprovação na data mais cedo possível”.

Alguns dentro da Fujifilm têm estado cautelosos com a aprovação antecipada baseada em pesquisa clínica. Se ensaios forem conduzidos com *placebos, dizem fontes, resultados positivos aumentarão a candidatura da companhia para obter aprovação em países estrangeiros.

Mas a Fujifilm está tendo dificuldade em encontrar participantes para os ensaios. Em abril, poucos com sintomas leves ou moderados puderam ser encontrados – as metas do teste – visto que a maioria dos hospitais está aceitando apenas aqueles gravemente doentes.

O número de pacientes em si diminuiu em maio. A Fujifilm estabeleceu junho como prazo para concluir seus testes, mas provavelmente será estendido.

Há um número crescente de estudos observacionais em que o Avigan pode ser administrado se médicos e hospitais aceitarem a necessidade por medicamento e pacientes concordarem em tomá-lo.

De acordo com o ministério da saúde, o Avigan até agora foi administrado a mais de 3 mil pacientes em mais de 600 instituições médicas. Mas devido a uma falta de comparação com um grupo de controle não tomando o medicamento, é difícil provar sua eficácia.

O ministério não tem escolha a não ser aguardar por dados mostrando o valor do Avigan como um medicamento eficaz.

*Placebo é qualquer substância ou tratamento inerte (ou seja, que não apresenta interação com o organismo) empregado como se fosse ativo.
Fonte: Asia Nikkei

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Hanabi surpresa ilumina o céu das 47 províncias

Publicado em 2 de junho de 2020, em Sociedade

Conforme a promessa todas as 47 províncias tiveram espetáculos de fogos de artifício para alegrar a população após o período de isolamento social.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

As duas imagens à esquerda e centro são de Shizuoka e à dir. de Okinawa (Shizuoka Shimbun e Ryukyu Shimpo)

Em quase todo o país as agendas dos espetáculos dos fogos de artifício foram canceladas por causa do prolongado período de infecção pelo novo coronavírus. Assim, 170 empresas fabricantes dos fogos de artifício se uniram para shows surpresa às 20h de segunda-feira (1.º), sincronizados para o mesmo horário nas 47 províncias.

Publicidade

O espetáculo pirotécnico intitulado Cheer up Hanabi Project durou até 5 minutos. No céu iluminado a mensagem foi de encorajamento e esperança para superar esses dias difíceis por causa da Covid-19. 

Para evitar aglomeração os locais foram mantidos em segredo. Segundo o resultado da enquete feita pelo Yahoo!, até as 9h de terça-feira (2), das 74.285 pessoas que participaram 13% puderam ver, enquanto 11% ouviram o som. 

Os comentários foram positivos como “gratidão, chorei de emoção”, “só tenho a agradecer aos profissionais pirotécnicos por nos proporcionarem este evento maravilhoso”, “este é coração japonês”, entre outros.  

As empresas ofereceram esse espetáculo gratuitamente, em diversas cidades de cada província. Em Shizuoka, Aichi, Mie, Kanagawa, Tóquio, Fukuoka, Okinawa e outras, o público pode apreciar na costa.

Veja as imagens de alguns locais do noticiário da ANN.

https://youtu.be/JJ1BvngGWXk

Fontes: ANN, Yahoo!, Shizuoka Shimbun, Yomiuri e Ryukyu Shimpo

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
UniFCV Japão - Educação a distância
Uninter - JAPÃO - Educação a distância