Japão: ajuda para Tonga após erupção massiva

O primeiro-ministro Fumio Kishida enviou uma mensagem ao governo de Tonga e manifestou a iniciativa do Japão em fornecer suporte o tanto quanto possível.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Funcionários dos Serviços Geológicos de Tonga observando a massiva erupção (NHK)

O governo japonês está considerando dar suporte a Tonga após a massiva erupção de sábado (15) de um vulcão submarino na nação insular no Pacífico, disse o vice-chefe do gabinete, Seiji Kihara, na segunda-feira (17).

Publicidade

“Estamos nos comunicando estreitamente com o governo de Tonga e países relacionados e esperando oferecer uma resposta apropriada” à situação, disse Kihara em uma coletiva de imprensa.

No dia, o primeiro-ministro Fumio Kishida enviou uma mensagem ao governo de Tonga, dizendo que ele está extremamente aflito em relação à erupção e manifestou o ímpeto de seu país em fornecer suporte o tanto quanto possível.

Desde sábado, cerca de 40 japoneses estavam em Tonga, de acordo com Kihara. “No momento, não temos informação de que há japoneses que desejam retornar para casa temporariamente”, disse ele.

Fonte: Nippon

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Estagiário técnico vietnamita apanhou durante 2 anos na empresa

Publicado em 18 de janeiro de 2022, em Sociedade

Continuou aguentando as surras calado para sustentar sua família e porque contraiu dívida para vir ao Japão, até que teve fratura em 3 costelas.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Um dos maus tratos em setembro de 2020 (Sindicato via Mainichi)

Um estagiário técnico vietnamita de 41 anos que trabalhava em uma empresa de construção na cidade de Okayama (província homônima), foi agredido repetidamente por vários funcionários japoneses. Chegou a sofrer um ferimento grave, com fratura de 3 costelas

Publicidade

Na segunda-feira (17), ele deu uma coletiva de imprensa, quando declarou “aguentei porque não queria incomodar minha família e outros estagiários. Desejo que sejam mais compassivos com os estrangeiros”.  

Ele entrou com uma ação judicial para que a empresa peça desculpas e também por uma indenização pelos maus tratos.

Maus-tratos começaram no mês seguinte ao se empregar

De acordo com o sindicato Fukuyama Union Tanpopo, de Fukuyama (Hiroshima), que o protegeu, ele veio ao Japão em outubro de 2019, deixando sua esposa e filha de 5 anos no Vietnã. Conseguiu uma vaga como estagiário técnico de tobi – aquele que trabalha em locais altos na construção civil – através de uma organização de Okayama, na cidade homônima.

No meio o vietnamita que deu coletiva de imprensa para explicar sobre as agressões (Mainichi)

A partir do mês seguinte, dezembro, começou a ser agredido pelos colegas japoneses, como levar chutes e apanhar, inclusive de vassoura

Empresa ordenou a mentir

Em maio de 2020, quando desmontavam um andaime, um deles lançou um tubo de ferro no seu rosto. Teve dentes quebrados e levou 4 pontos nos lábios. Em novembro levou um chute no peito, do instrutor, e teve 3 costelas fraturadas. Nessa ocasião, a empresa o ordenou a dizer que caiu da escada. 

O estagiário técnico enviou imagens gravadas para a organização que o apresentou para essa empresa, mas a resposta foi que não podia transferi-lo.

Então, conheceu um conterrâneo pelo Facebook, o qual lhe apresentou esse sindicato em Hiroshima. Depois de enviar as imagens, foi protegido em um abrigo.

Aguentou tudo por 2 anos

Nessa empresa havia outros 3 vietnamitas, os quais também sofriam de maus-tratos. 

O trabalhador vietnamita relatou que saiu do país com uma dívida de 1 milhão de ienes para vir ao Japão. “Se deixasse essa empresa para procurar outra, não teria como enviar o sustento para minha família, então aguentei as agressões por 2 anos”, relatou. 

Por outro lado, um representante da empresa declarou: “Como estamos em processo de negociação de acordo, gostaríamos de nos abster de comentar”.

Assista ao vídeo de algumas das agressões, com japoneses dando risada.

Fontes: ANN, FNN e Mainichi

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância