Homem se algema à porta de loja do McDonald’s na Rússia em protesto contra fechamento

A McDonald’s anunciou o que ela chamou de “fechamento temporário” de todos os 850 restaurantes na Rússia na semana passada.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Fachada de uma loja da McDonald’s na Rússia (ilustrativa/banco de imagens)

Um superfã da rede McDonald’s foi preso e multado em Moscou após se algemar à porta de uma loja da rede McDonald’s para protestar contra seu fechamento em meio à invasão na Ucrânia.

Publicidade

Luka Safronov-Zatravkin, pianista e filho do famoso artista russo Nikas Safronov, disse que era “desumano” por parte do McDonald’s fechar, dizendo à mídia russa: “Era meu meio de vida, era minha liberdade, eles decidiram que poderiam me limitar”.

A rede McDonald’s anunciou o que ela chamou de “fechamento temporário” de todos os 850 restaurantes na semana passada, e enquanto ela não tenha uma data exata para o suspensão das operações, foi amplamente assumido que a ação aconteceria no fim da semana.

O período de fechamento das lojas na Rússia – durante o qual a rede McDonald’s diz que continuará pagando o salário de deus 62 mil funcionários e manterá operações beneficentes- deve custar à companhia cerca de US$50 milhões por mês.

Porém os russos ainda estavam conseguindo comprar em lojas da McDonald’s no país, apesar da rede americana de fast food ter anunciado seus planos para suspender todas as operações na Rússia.

Fãs da rede em Moscou, São Petersburgo, Volgograd, Novosibirsk e Ufa foram vistos fazendo filas enormes na tarde de segunda-feira (14), visto que as lojas da McDonald’s continuaram a operar – quase uma semana após a rede ter dito suspenderia as operações no país.

A McDonald’s abriu sua primeira loja na União Soviética em 1990 na Praça Vermelha em Moscou.

Fonte: Daily Mail

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Invasão da Ucrânia ameaça indústrias de semicondutores

Publicado em 15 de março de 2022, em Economia

Se o segmento de semicondutores for afetado, desencadeia-se um efeito dominó nas indústrias automobilística, de smartphones, de baterias e outras.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Neon (Ne) é imprescindível para a fabricar semicondutores (Wikipedia/Flick)

À medida que a invasão militar da Rússia continua na Ucrânia, há uma crescente preocupação com a aquisição de recursos raros, como neon e paládio, pois as indústrias dependem do fornecimento de ambos os países.  

Publicidade

O neon é indispensável para a fabricação de semicondutores e o paládio é usado como medida contra gases de escape dos automóveis

Se o fornecimento for interrompido devido a paralisações das fábricas ou interrupções de logística, a escassez global de compras de semicondutores e produção de carros pode ser severamente afetada, o que pode prejudicar o desempenho dos negócios.  

Dependência da Ucrânia

A Ucrânia responde por cerca de 70% da produção mundial de neon e o impacto no mercado é gigantesco. Na fabricação de semicondutores, um dispositivo de exposição chamado stepper é usado para irradiar o material semicondutor com luz laser gerada a partir de gás neon ou similar para transferir o padrão do circuito. De acordo com a TechSet, uma empresa de pesquisa dos EUA, mais de 90% do neon para fabricação de semicondutores é da Ucrânia.

A Ucrânia, juntamente com o neon, chamado de gás raro é também fornecedora de argônio, criptônio e xenônio usados ​​na fabricação de semicondutores.

Gases raros são fornecidos em grande parte pela Ucrânia (Wikimedia)

No entanto, por causa da invasão do exército russo, a refinaria de neon em Odessa, no sul, está temporariamente fechada. O porto também está fechado e o fornecimento parece ter parado.

De acordo com a gigante doméstica de semicondutores Renesas Electronics, ainda há um estoque de neon para vários meses, por isso não vê impacto imediato na produção. No entanto, à luz da situação tensa na Ucrânia, onde o futuro é incerto, a ansiedade sobre as aquisições futuras não pode ser eliminada.

Coreia do Sul também sofrerá grandes impactos

Devido à escassez de fornecimento de matérias-primas, há preocupações sobre o impacto na indústria de semicondutores, que é a principal indústria da Coreia do Sul.

A indústria sul-coreana de semicondutores depende da importação de gases raros, indispensáveis ​​para o processo de fabricação.

De acordo com as Estatísticas de Importação e Comércio de Exportação de 2009 do Serviço Alfandegário da Coreia do Sul, as importações de neon são 5,2% da Rússia e 23% da Ucrânia; criptônio é 17,5% da Rússia e 30,7% da Ucrânia; o xenônio é 31,1% da Rússia e 17,8% da Ucrânia. Pode-se ver que há uma dependência da maioria dos gases nobres da Rússia e da Ucrânia.

Impacto econômico no mundo

A guerra na Ucrânia é hoje, com uma imagem mais clara emergindo do impacto econômico do conflito.

Quanto mais essa crise continuar e se agravar, maior será a volatilidade observada nos mercados globais, em um momento em que esses mesmos mercados estão apenas se recuperando dos efeitos da pandemia do coronavírus nos últimos dois anos.

Não é apenas o negócio de hélio que pode ser impactado pela atual guerra Rússia-Ucrânia, no entanto, com o negócio de gases raros – e o neon em particular – agora entrando em foco à medida que o conflito continua, analisou o Gas World.

Fontes: Nikkei Business, Sankei e Gas World

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância