Boris Johnson se encontra com Volodymyr Zelensky em Kiev

Johnson fez a visita a Zelensky no sábado (9) sem aviso antecipado à mídia.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, em Kiev (NHK)

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson se reuniu com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky em Kiev e prometeu mais assistência militar.

Publicidade

Johnson fez a visita no sábado (9) sem aviso antecipado à mídia.

O Escritório do primeiro-ministro britânico diz que Johnson estabeleceu nova assistência militar de aproximadamente 120 veículos blindados e novos sistemas de mísseis antinavio.

Isso é em adição ao suporte militar no valor de cerca de 130 milhões de dólares que Johnson anunciou na sexta-feira (8).

Em uma mensagem em vídeo divulgada após a reunião, Johnson descreveu como crimes de guerra o que o presidente russo Vladimir Putin havia feito em locais como Bucha e Irpin.

Ele disse que o recuo das forças russas é tático e que Putin vai intensificar a pressão agora em Donbas e no leste.

Zelensky manifestou sua gratidão ao suporte do Reino Unido. Ele também em pediu à nação britânica e a outros países que intensifiquem sanções sobre a Rússia e proíbam totalmente as importações de energia do Kremlin.

Johnson andou pela cidade com Zelensky e disse àqueles com quem ele se encontrou na rua que o Reino Unido apoiava os ucranianos.

Sua visita é vista como uma demonstração de solidariedade com a Ucrânia após uma visita similar feita pela presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, e o chefe de políticas estangeiras da União Europeia, Josep Borrell, na sexta-feira.

Fonte: NHK

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Crimes de violência sexual cometidos por soldados da Rússia, outra arma dessa guerra

Publicado em 10 de abril de 2022, em Notícias do Mundo

Mulheres e meninas não são as únicas vítimas – homens e idosos também. Muitas mulheres foram estupradas e assassinadas na frente dos filhos.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Corpos encontrados nas ruas de Bucha sendo recolhidos pelas autoridades ucranianas (Ukrinform)

Um post do Ministério da Defesa da Ucrânia chocou o país e o mundo com o relato.

Publicidade

“Em Mariupol, os invasores russos estupraram uma mulher, um por um, por vários dias, na frente de seu filho de 6 anos. Ela morreu mais tarde devido aos ferimentos. O cabelo de seu filho ficou grisalho. Este não é um filme de terror. Estupro, violência, assassinatos – é isso que o ‘mundo russo’ significa”, diz o texto traduzido.

A voluntária Yulia Smyrnova escreveu mais tarde no Facebook que o menino foi levado para um hospital – ele havia parado de falar e estava em estado de choque. Uma parente do menino foi encontrada em Praga e declarou sua vontade de acolhê-lo.

Estuprada na frente do filho de 4 anos

Um artigo no jornal diário britânico The Times contou a história de Natalia, de 33 anos, moradora da cidade de Brovary, nos arredores da capital Kiev. Os invasores russos entraram no pátio de sua casa, atiraram no marido dela, mataram seu cachorro e destruíram seu carro. E então eles a estupraram três vezes na frente de seu filho de 4 anos. Natalia e seu filho conseguiram escapar quando os soldados se embebedaram e desmaiaram. Um deles se apresentou como Mikhail Romanov.

Um dos estupradores foi morto

A procuradora-geral da Ucrânia Iryna Venediktova confirmou o fato deste crime, observando que o invasor havia sido colocado em uma lista de procurados. Mais tarde, soube-se que o estuprador provavelmente já havia sido morto pelos militares ucranianos, de acordo com um relatório do vice-ministro do Interior, Kateryna Pavlichenko.

“Os jornalistas estão constantemente interessados ​​nas estatísticas desses crimes, no número de casos”, observou ela.

Soldado russo morto na Ucrânia (Ukrinform)

“Esses números mudam diariamente, mas não refletem a situação. Aqueles que vivenciaram uma violência tão terrível, em sua maioria, não querem ser estatísticas”, disse.

“É impossível coletar essas estatísticas no estágio em que as hostilidades ativas estão em andamento, pois as vítimas estão tentando suprir suas necessidades básicas e salvar suas próprias vidas, e somente depois disso relatar ou documentar o caso correspondente”, explicou.

Atrocidade e violência dos soldados russos

Daria Kaleniuk, diretora executiva do Centro de Ação Anticorrupção, também twittou sobre duas mulheres estupradas e mortas pelos invasores russos. “Minhas amigas foram capturadas, torturadas, estupradas e mortas. Uma delas era uma médica brilhante, outra era cientista e tinha PhD“, escreveu.

Assim como esse há outras centenas de relatos de casos de estupro em Kharkiv,  Kherson, Chernihiv, Mariupol e outras, de garotas adolescentes e mulheres adultas.

No início de abril, depois que as Forças Armadas da Ucrânia libertaram Kyiv Oblast dos invasores russos e puderam entrar na cidade bombardeada de Bucha, começaram a surgir mais informações sobre os estupros brutais, violência e tortura cometidos contra os moradores locais. Em particular, inúmeras histórias foram publicadas sobre mulheres estupradas e assassinadas. Os corpos nus de algumas delas foram encontrados descartados ao longo da rodovia. Até garotas menores de idade foram relatadas como sujeitas a essas atrocidades.

Estupro é outro arsenal de guerra 

Apesar de a Rússia negar oficialmente seus crimes de guerra contra civis – no caso do genocídio em Bucha e do bombardeio de uma maternidade em Mariupol – conversas interceptadas entre os invasores pela inteligência ucraniana indicam o contrário.

Bucha: cidade destruída e genocídio (Ukrinform)

Uma dessas conversas, publicada pelo Serviço de Segurança SBU da Ucrânia, revela como um invasor russo disse a uma jovem que outros soldados haviam estuprado uma mulher e uma garota de 16 anos.

O estupro dessa garota de 16 anos também é mencionado em outra conversa interceptada, onde um soldado russo conta a outro que, junto com outros, “comeram um cachorro Alabai (raça de cachorro)”, pois já estavam cansados ​​das “rações secas” fornecidas pelo exército russo.

Políticos e diplomatas já estão discutindo a violência sexual: o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, foi um dos primeiros a chamar a atenção para esses crimes cometidos pelo exército russo.

O Gabinete do Comissário Parlamentar Ucraniano para os Direitos Humanos é outro órgão ucraniano que trabalha para documentar casos de violência sexual contra civis ucranianos. 

A embaixadora do Reino Unido na Ucrânia, Melinda Simmons, comentou isso publicamente, chamando os estupros cometidos pelos invasores de “parte do arsenal russo“.

“O estupro é uma arma de guerra”, ela twittou em 3 de abril.

“Embora ainda não saibamos a extensão total de seu uso na Ucrânia, já está claro que fazia parte do arsenal russo. Mulheres são estupradas na frente de seus filhos, meninas na frente de suas famílias, como um ato deliberado de subjugação. Estupro é um crime de guerra”, disse.

Um psicoterapeuta ucraniano, que trabalha com mulheres que sofreram violência sexual, disse que os homens também são vítimas desse crime.

A Missão de Monitoramento dos Direitos Humanos da ONU também está documentando esses crimes. Tanto as vítimas como as testemunhas podem denunciar crimes de guerra ao Gabinete do Procurador do Tribunal Penal Internacional.

Fonte: NV

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
UniFCV Japão - Educação a distância
Kumon - aprenda nihongo por correspondência