Japonês procurado por crime de assassinato foi encontrado morto na África do Sul

Um japonês que teria sido a figura central de um homicídio, o qual estava sendo procurado, foi encontrado morto, por isso, foram enviados policiais para esse país.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Com rara ‘síndrome do cabelo impenteável’ menina ganha apelido de Einstein

Publicado em 25 de julho de 2022, em Notícias do Mundo

Layla Davis, de 1 ano e 5 meses, do Reino Unido, tem cabelos que desafiam todas as tentativas de ‘deixá-los ordenados’.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Ilustrativa (banco de imagens)

Uma garotinha com um cabelo grandioso foi diagnosticada como sendo uma das apenas 100 pessoas no mundo com a “síndrome do cabelo impenteável” (UHS – Uncombable Hair Syndrome).

Publicidade

Layla Davis, de 1 ano e 5 meses, de Great Blakehnam em Suffolk, no Reino Unido, tem cabelos que  desafiam todas as tentativas de “deixá-los ordenados”.

Sua mãe, Charlotte Davis de 28 anos, diz que sua filha foi oficialmente identificada com a síndrome após ela e o marido, Kevin de 35 anos, terem lutado por um diagnóstico.

É uma condição caracterizada por cabelos secos, frisados que não se modificam ao serem penteados.

A UHS se desenvolve na infância, geralmente até os 3 anos, mas pode aparecer aos 12.

As crianças que a desenvolvem tendem a ter cabelos claros e há apenas 100 casos no mundo. Charlotte disse que Layla ganhou os apelidos de Boris Johnson e Albert Einstein por conta disso.

“O cabelo dela é cheio desde quando tinha 1 ano, mas após isso começou a crescer cada vez mais”, disse a mãe.

“Eu acho que eu estava em negação e continuava dizendo que ia ficar ordenado”.

Tenho muito orgulho de ter tido o diagnóstico porque é muito raro. Parte da razão pela qual eu demorei para ir atrás de uma avaliação é porque apenas uma em cada 100 pessoas no mundo têm a condição e as chances eram muito pequenas.

Enquanto não haja cura, a condição geralmente melhora até o início da puberdade.

Fonte: Mail Online

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
UniFCV Japão - Educação a distância
Kumon - aprenda nihongo por correspondência