Morte de menino de 3 anos em lockdown da Covid gera indignação na China

Essa é a mais recente tragédia a alimentar uma reação negativa crescente contra a incessante política de Covid zero da China.

Ilustrativa (banco de imagens)

A morte de um menino de 3 anos após um suspeito vazamento de gás em um complexo residencial em lockdown no nordeste da China causou uma nova onda de indignação contra a rigorosa política de Covid zero do país.

Publicidade

O pai do menino afirmou em um post na mídia social que agentes da Covid tentaram evitar que ele saísse do complexo em Lanzhou, capital da província de Gansu, a fim de buscar tratamento para seu filho, causando um atraso o qual ele acredita que foi fatal.

Um post na mídia social publicado pelo pai na quarta-feira (2) sobre a morte de seu filho foi correspondido com um derramamento de fúria pública e tristeza, com várias hashtags relacionadas acumulando milhões de visualizações no dia seguinte na Weibo, a plataforma chinesa similar ao Twitter.

Três anos de pandemia foi sua vida inteira”, dizia um comentário popular.

Essa é a mais recente tragédia a alimentar uma reação negativa crescente contra a política de Covid zero incessante da China, que continua a derrubar a vida diária com lockdowns intermináveis, quarentenas e obrigações de testes em massa mesmo quando o resto do mundo segue adiante da pandemia.

Inúmeros casos similares envolveram pessoas morrendo após terem acesso rápido negado a cuidados médicos de emergência durante lockdowns, apesar da insistência de autoridades chinesas, incluindo do presidente Xi Jinping, de que as políticas da Covid do país “colocam as vidas das pessoas em primeiro lugar”.

Grandes partes de Lanzhou, incluindo o bairro onde a família do menino vive, estão isoladas desde o início de outubro.

Fonte: CNN

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Coreia do Norte critica a vizinha do Sul e lança mais 3 mísseis na noite de quinta-feira

Publicado em 4 de novembro de 2022, em Ásia

Há uma séria preocupação de que Pyongyang poderá fazer um teste nuclear em breve.

Kim Jong-un (TV Central da Coreia do Norte via NHK)

A Coreia do Norte disparou mais 3 mísseis balísticos de curto alcance em direção ao Mar do Leste na noite de quinta-feira (3), disseram os militares sul-coreanos, cerca de uma hora depois que Pyongyang criticou a decisão de Seul e Washington de estender exercícios aéreos conjuntos como um “escolha muito perigosa e errada.”

Publicidade

Os mísseis foram lançados do condado de Koksan, na província de Hwanghae do Norte, por volta das 21h35, de acordo com o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul (JCS).

No início do dia, o Norte disparou um míssil balístico intercontinental (ICBM) e dois mísseis balísticos de curto alcance.

O lançamento do míssil noturno ocorreu menos de uma hora depois que Pak Jong-chon, secretário do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, divulgou um comunicado denunciando a decisão anterior da Coreia do Sul e dos EUA de estender o exercício aéreo combinado Vigilant Storm que começou na segunda-feira.

“A decisão irresponsável dos EUA e da Coreia do Sul está empurrando a situação atual causada por atos militares provocativos das forças aliadas para uma fase incontrolável”, disse ele em comunicado divulgado pela Agência Central de Notícias da Coreia. “É uma escolha muito perigosa e falsa”, apontou.

Os lançamentos de mísseis são o aparente protesto da Coreia do Norte contra o Vigilant Storm, os massivos exercícios aéreos conjuntos dos aliados envolvendo mais de 240 aeronaves, incluindo jatos furtivos, sobre os céus da península em meio à crescente especulação de que Pyongyang pode realizar um teste nuclear em breve.

Após o disparo do ICBM, os militares da Coreia do Sul anunciaram que o exercício aéreo será estendido, mas não forneceram detalhes sobre até quando os exercícios serão realizados.

“É absolutamente inaceitável”, disse Yasukazu Hamada, ministro da Defesa do Japão, por volta das 22h30, em seu pronunciamento após os lançamentos. Foram lançados às 21h34, 21h39h e 21h42 minutos, todos com altitude máxima de cerca de 150km e distância de voo de cerca de 500km.

Todos os mísseis caíram no Mar do Leste (ou Mar do Japão), no lado leste da Península Coreana, e estima-se que foram fora da Zona Econômica Exclusiva do Japão (ZEE).

Fontes: Yonhap News e NHK

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
Life Card - cartão exclusivo para brasileiros