Sharp de Kameyama: descartabilidade dos trabalhadores nikkeis

Publicado em 4 de dezembro de 2018, em Sociedade

Ex-trabalhadores e sindicato realizaram uma coletiva de imprensa em Tóquio para mostrar a dura realidade dos cortes na Sharp.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Publicidade

Na segunda-feira (3) o sindicato Union Mie levou ex-trabalhadores de empreiteira da Sharp de Kameyama (Mie) para uma coletiva de imprensa em Tóquio.

Lá expuseram a dura realidade da vulnerabilidade dos trabalhadores brasileiros, peruanos, bolivianos e demais estrangeiros. Contratados por terceirizadas contaram que não foram mil conforme depoimentos da matéria publicada no sábado. Os cortes chegaram a quase 3 mil trabalhadores na Sharp.

Alfinetadas no governo

Diante da aprovação da emenda à atual lei de imigração, a fim de expandir a entrada de trabalhadores estrangeiros em massa para suprir a falta de mão de obra, o sindicato se manifestou.

“Mesmo sendo nikkeis foram colocados em posição de desvantagem”, se referindo a Sharp. “Com essa emenda está claro que os trabalhadores estrangeiros serão privados dos seus direitos humanos”, apontou.

Union Mie com 3 ex-trabalhadores brasileiros na Sharp e faixa sobre o corte de 3 mil (Sankei)

“O governo não olha para um problema como este e está tentando promover a rápida expansão”, alfinetando para o visível perigo.

De 3.000 para 100

Segundo o sindicato, em 2017 eram cerca de 3 mil trabalhadores nikkeis, através de 10 empreiteiras, de 5 níveis diferentes. Ou seja, terceirizadas de outras terceirizadas.

Os contratos eram de 1 a 2 meses. E havia rotação de pessoal entre as empreiteiras do grupo, saindo de uma e entrando em outra. Era uma estratégia para escaparem do pagamento do shakai hoken.

Shizuka Shimazu à esq. e Fabíola Suzuki à dir. (Sankei)

A partir de fevereiro deste ano, com a redução da produção, as empreiteiras começaram a diminuir a jornada diária ou reduzir o salário por hora. Alguns começaram a parar por conta própria. Outros foram cortados pelas empreiteiras. Alguns conseguiram recolocação e soube-se de quem está vivendo dentro do carro.

A prefeitura de Kameyama vem recebendo reclamações desde o final do ano passado, levantou o Chunichi. Pessoas com queixas como “não recebi o contra-cheque” ou “teve desconto de mudança no salário”, eram recomendadas a procurar a Delegacia do Trabalho. Mas muitos desistiam para procurar recolocação em outra cidade, informou o representante.

Atualmente são cerca de 100 nikkeis trabalhando através de empreiteira na Sharp de Kameyama, informou o sindicato.

Fontes: Asahi, Sankei e Chunichi 

Poderia avaliar este conteúdo?

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!
Palavras-chave neste artigo

Vamos Comentar?

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Banco do Brasil - Japão
Info para brasileiros de Mie-ken