Médico faz parto alcoolizado e recém-nascido ficou em estado de risco, em Aichi

Publicado em 6 de agosto de 2021, em Sociedade

Um menino foi dado à luz em uma clínica de obstetrícia, onde o médico estava alcoolizado, e o recém-nascido teve problemas sérios.

&nbspMédico faz parto alcoolizado e recém-nascido ficou em estado de risco, em Aichi
Recém-nascido internado, à dir., e médico sem jaleco à esq. (Tokai TV)

Na quinta-feira (5) a imprensa de Aichi tomou conhecimento de que um médico, diretor de obstetrícia de uma clínica de Toyohashi, 68 anos, realizou o parto alcoolizado e está sendo investigado pelo Centro de Saúde.

Publicidade

O marido da mulher que deu à luz acompanhou o parto no amanhecer de 25 de julho e gravou cenas que comprometem o obstetra. Segundo seu relato, ele apareceu para fazer o parto com o rosto vermelho e brilhante.

Antes disso, a auxiliar de obstetrícia disse: “é uma criança com muita energia, seu batimento cardíaco é forte e ainda não está cansada. Está em muito bom estado”, e saiu para ir buscar o médico.

Segundo pai, “cerca de 10 minutos depois, o médico veio e apareceu na sala de parto sem usar jaleco, com um rosto vermelho brilhante, vermelho como um polvo, realmente um vermelho vivo”. 

Ele e a esposa ouviram da assistente: “depois que o bebê sair mais um pouco”. No entanto, “o obstetra realizou uma sucção e usou algo como um alicate para puxar o bebê”.

Segundo o pai, o recém-nascido teve hemorragia interna na cabeça e apresentou piora na função cardiopulmonar. Foi transferido com urgência para outro hospital e está se recuperando, mas ainda está internado.

Na conversa gravada o pai do recém-nascido pergunta: “é normal beber álcool antes de trabalhar?”. E o médico que também é diretor respondeu: “sim, sempre bebo. Bebo no lugar do chá”. O médico admitiu dizendo “sim, bebi” mas disse que “não ao ponto de ficar bêbado”. 

A relação causal entre o estado do recém-nascido e o consumo de álcool é desconhecida, mas o Centro de Saúde de Toyohashi esteve na instituição médica para ouvir os fatos, pedir atenção e prevenção de recorrências. 

O pai da criança considera processar o médico, pois o médico assumiu que bebeu, não pensa que é uma atitude ruim e tampouco pediu desculpas, relata.

Por outro lado, a clínica não quis responder às perguntas da imprensa.

Fontes: Nagoya TV e Tokai TV

Neste Artigo:

Vamos comentar?


.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Banco do Brasil - Japão