Reação dos países em relação ao míssil norte-coreano

Veja a reação de vários países sobre o lançamento do míssil balístico da Coreia do Norte.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Lançamento do míssil da Coreia do Norte (Imagem: Reuters/KCNA)

Ontem (29), o Japão ficou sob alerta após míssil norte-coreano ter sobrevoado o Cabo de Erimo, no sul de Hokkaido, e caído no Pacífico. Muitos países como os EUA e a Austrália mostraram apoio ao Japão e pretendem intensificar a pressão sobre a Coreia do Norte. Veja a reação de diversos países sobre o míssil.

Publicidade

“Condenamos fortemente”, diz Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul

O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul pronunciou-se em relação ao míssil balístico da Coreia do Norte. “Mesmo após o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter adotado novas medidas sancionarias e enviado uma mensagem estrita em nome da comunidade internacional, o Norte realizou novamente uma provocação, e o condenamos fortemente. É necessário que o Norte entenda que apenas a desnuclearização é o caminho de garantir segurança e desenvolvimento econômico para si próprio, e prosseguir para o caminho de diálogo para a desnuclearização no lugar de provocações imprudentes.”, disse o ministério.

O Estado Maior Conjunto do exército sul-coreano também se pronunciou sobre o assunto. “O lançamento do míssil balístico é uma franca violação em relação aos acordos do Conselho de Segurança das Nações Unidas e um gravíssimo ato provocativo que ameaça a paz e a segurança da Península Coreana, do Leste Asiático e do mundo.”, disseram as autoridades.

“O exército sul-coreano alertou o Norte para parar com as provocações. Mesmo sendo um alerta estrito, caso o Norte realizar provocações adicionais, ele irá enfrentar a forte e determinada punição da Aliança US-ROK (EUA e Coreia do Sul).”, completaram as autoridades militares.

China condena lançamento do míssil e sugere diálogo

“Não precisamos nem mencionar que a China é contra as atividades de lançamento e as violações dos acordos do Conselho de Segurança das Nações Unidas feitas pela Coreia do Norte”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China durante coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (29).

Contudo, a China pediu a coibição dos países neste momento delicado. “A China sugere que os países relacionados não continuem se provocando para não aumentar a preocupação nessas regiões”, comentou o porta-voz. Além disso, embora a China tenha enfatizado a implementação de sanções para colocar mais pressão sobre a Coreia do Norte, a China sugere diálogos. “Embora já estejam aprovadas, as sanções para colocar mais pressão não irão resolver a raiz do problema. O único método eficaz para a resolução é através de diálogos para balancear a preocupação sobre a segurança lógica entre os países.”

A China sugeriu que, para os países relacionados conseguirem dialogar, é necessário a Coreia do Norte e a Aliança US-ROK pararem o desenvolvimento nuclear e de mísseis e o treinamento militar conjunto, respectivamente.

Inglaterra: “Um ato provocativo imprudente”

A primeira-ministra inglesa Theresa May, que estará visitando o Japão nesta quarta-feira (30), comentou o assunto em coletiva de imprensa realizada no Gabinete do Primeiro-Ministro. “O lançamento de mísseis da Coreia do Norte é um experimento ilegal e um ato provocativo imprudente.”, disse a primeira-ministra. “Irei discutir o problema durante a visita no Japão e colaborarei com a sociedade internacional para intensificar a pressão sobre a Coreia do Norte.”

“Outra ação irresponsável”, diz presidente francês

O presidente francês Emmanuel Macron tocou no assunto durante discurso sobre relações diplomáticas em Paris. “A Coreia do Norte tomou atitudes irresponsáveis novamente. Desejo mostrar que a França está junto com o Japão.”, enfatizou Macron.

“Mísseis balísticos e armas nucleares também são uma ameaça para a Europa. Devemos preparar novas medidas para voltarmos à mesa de negociações com a Coreia do norte e prevenir a piora da situação.”, completou o presidente.

Rússia foge de críticas diretas

O ministro das relações exteriores da Rússia Sergey Lavrov afasta-se de críticas diretas à Coreia do Norte. “A Rússia apoia todas as decisões do Conselho de Segurança da ONU e pede a conformidade da Coreia do Norte em relação a essas decisões.”

A Rússia afirma que este lançamento da Coreia do Norte é resultado do fortalecimento da pressão militar do mesmo e traça uma linha entre os EUA e o Japão, que acreditam ser necessário intensificar as sanções para resolver o problema de desnuclearização da Coreia do Norte.

“Provocativo e perigoso”, diz ministra australiana

Julie Bishop, ministra das Relações Exteriores da Austrália, também criticou o lançamento do míssil. “Lançar um míssil que sobrevoa o território de outros países é ameaçador, além de perigoso e provocativo.”

“A Austrália irá apoiar os EUA, o Japão, a China e outros para voltar à mesa de negociações com a Coreia do Norte”, completou a ministra, que mostrou sua postura de tentativa de diálogo com a Coreia do Norte e apoio aos países envolvidos em continuar com as sanções.

Itália: “Ameaça para a paz e segurança dos cidadãos vizinhos)

O Ministro do Exterior da Alemanha Sigmar Gabriel pronunciou-se sobre o problema durante visita nos EUA. “(O lançamento do míssil) Viola as leis internacionais e as decisões do Conselho de Segurança da ONU e ameaça a paz e segurança dos países vizinhos.”

“Mostraremos toda a solidariedade para os cidadãos e ao governo japonês, que estão enfrentando uma grande ameaça.”, completou o ministro.

Fonte: NHK News

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Tufão número 15 é enorme e avança para a costa de Kanto

Publicado em 30 de agosto de 2017, em Sociedade

O tufão número 15 – (Sanvu) – é enorme, traz tempestade forte, e no domingo poderá se aproximar de Kanto a Hokkaido.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

O enorme tufão Sanvu esta a um passo de ser considerado extra grande (imagem de satélite/JMA)

Segundo a AMJ-Agência de Meteorologia do Japão, o tufão Sanvu se encontra a 110 Km de Chichijima. Sua característica é que, além de enorme, traz ventos fortes de mais de 30 metros por segundo.

Publicidade

É tão grande que cobriria boa parte do arquipélago central. Tem pressão de 980 hPa e diâmetro de 1.450 Km. Ele está a um passo de ser considerado extra grande, o qual tem diâmetro superior a 1.600 Km.

A área de ventos fortes é de 1.450 Km e há dois anos um tufão dessa proporção não se aproximava do Japão. O último foi o de número 23, com 1,6 mil Km, em outubro de 2015.

Além do tamanho, o tufão Sanvu vem aumentando seu vigor, trazendo tempestade.

Como se aproxima das Ilhas Ogasawara, na sexta-feira (1º), a previsão é de que irão amargar uma forte tempestade, de longo tempo.

Há possibilidade de se aproximar da costa de Kanto no domingo, 3 de setembro (Yahoo)

De olho no tufão Sanvu

Depois, se ele avançar no sentido norte, aumenta a possibilidade de atingir a costa leste e Hokkaido com a tempestade muito forte, no domingo (3).

Caso avance no curso mais a oeste, as regiões de Kanto a Hokkaido ficarão sob a influência dele.

Esse tufão requer vigilância. A recomendação é acompanhar as previsões até domingo.

Fontes e imagens: AMJ e Yahoo

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
UniFCV Japão - Educação a distância
Uninter - JAPÃO - Educação a distância