Escolas de Mie de folga por causa da influenza

Pela primeira vez nesta temporada escolas de Mie foram obrigadas a fechar por medida preventiva.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Epidemia da influenza em Mie e Wakayama fecham escolas (Moopen)

O Conselho de Educação da Província de Mie anunciou que foi a primeira vez que algumas instituições escolares tiveram que dar folga aos alunos por conta da epidemia da influenza.

Publicidade

O jardim de infância Nomura, em Tsu, e a escola ginasial Horiuchi, de Owase, foram as que fecharam na segunda-feira (15).

De acordo com o Setor de Controle das Doenças Infecciosas e de Assuntos Farmacêuticos da província 20 escolas tiveram que fechar algumas turmas por idade escolar e 29 tiveram que fazer o controle por salas.

No final do ano passado o Instituto de Doenças Infecciosas informou que a província tinha ultrapassado o nível de alerta.

Na província vizinha – Wakayama – 3 escolas também tiveram que dar folga aos alunos e 30 foram afetadas com a epidemia.

Autoridades das províncias recomendam o uso de máscara e reforça o hábito de lavar bem as mãos.

Ilustração de como lavar bem as mãos (Província de Yamaguchi)

Fontes: Chunichi e Asahi
Foto: Moopen

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Rio tem quatro casos de febre amarela confirmados este ano

Publicado em 16 de janeiro de 2018, em Brasil

A secretaria acrescenta que os casos registrados até agora são do tipo silvestre, transmitido pelas espécies de mosquito Haemagogus e Sabeths, presentes em áreas de mata.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

As pessoas que ainda não se vacinaram devem buscar um posto de saúde próximo de casa para fazer a imunização (imagem ilustrativa)

A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro confirmou na segunda-feira (15) a ocorrência de mais dois casos de febre amarela em humanos no território fluminense.

Publicidade

Dois moradores de Valença, no centro-sul do estado, morreram após contrair a doença. O resultado foi confirmado após exames laboratoriais realizados pela Fiocruz. Com isso, chega a quatro o número de casos confirmados e a três, o de mortos pela doença este ano. A outra morte foi em Teresópolis, na região serrana.

Em nota divulgada há pouco, a secretaria informou que vem adotando medidas preventivas. Segundo a secretaria, antes de serem registrados os primeiros casos no território fluminense, teve início a criação de cinturões de bloqueio, recomendando-se a vacinação contra a febre amarela principalmente em municípios da divisa com os estados do Espírito Santo e de Minas Gerais, considerados áreas de risco para a doença.

“Vale destacar que, desde julho do ano passado, todos os 92 municípios do estado [do Rio] já estão incluídos na área de recomendação da vacina e a campanha de vacinação permanece”, diz a nota.

A secretaria acrescenta que os casos registrados até agora são do tipo silvestre, transmitido pelas espécies de mosquito Haemagogus e Sabeths, presentes em áreas de mata. A nota ressalta que não há registro da forma urbana da doença, transmitida pelo Aedes aegypti, desde 1942 no país.

De acordo com a secretaria, as pessoas que ainda não se vacinaram devem buscar um posto de saúde próximo de casa para fazer a imunização.

Via Agência Brasil
Imagem: Bank Image

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
UniFCV Japão - Educação a distância
Uninter - JAPÃO - Educação a distância