Força de trabalho da mulher nos países desenvolvidos e no Japão

O relatório sobre a força de trabalho da mulher nos países desenvolvidos levanta uma reflexão do quanto o Japão ainda precisa melhorar as condições.

Foto meramente ilustrativa de uma mulher no seu ambiente de trabalho (Pexels)

No Dia Internacional da Mulher, quarta-feira, 8 de março, o seu papel e sua influência na força de trabalho dos países considerados ricos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), foi um dos temas abordados pelo jornal britânico The Economist, o qual pesquisou e elaborou um ranking.

Publicidade

Dentre os 29 países desenvolvidos do mundo, 4 nórdicos – Suécia, Islândia, Finlândia e Noruega – lideram o índice como os melhores lugares para as mulheres trabalhadoras.

Japão e Coreia do Sul, onde as mulheres ainda precisam escolher entre a família ou a carreira, ocupam as duas últimas posições, desde 2016 até 2022. Os dois países da Ásia ficaram bem abaixo da média da OCDE, como também a Turquia e Suíça.

Ranking dos 29 países, de 2016 a 2022, elaborado pelo The Economist

Por outro lado, a Islândia foi considerado o país que oferece o ambiente mais confortável para as mulheres trabalharem, além de que a porcentagem delas em posições-chave nas empresas é alta.

O desempenho de um país no índice é medido ao longo de dez métricas, incluindo disparidade salarial entre homens e mulheres, licença parental, custo de creches, nível educacional e representação na alta administração e cargos políticos.

“Damos mais peso aos indicadores que afetam todas as mulheres (como a participação na força de trabalho) e menos aos que afetam apenas algumas (como o salário-maternidade). O pagamento da paternidade também está incluído. Estudos mostram que onde os pais tiram licença parental, as mães tendem a retornar ao mercado de trabalho, o emprego feminino é maior e a diferença salarial entre homens e mulheres é menor”, analisou o The Economist.

Esse resultado gera uma reflexão sobre o papel da mulher no mundo contemporâneo, do quanto é valorizada ou não.

“A data 8 de março foi celebrada pela primeira vez em na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça”, explica a BBC. “Mas o Dia Internacional da Mulher só foi oficializado em 1975, quando a ONU começou a comemorar a data”, destaca. E a explicação para o uso da cor roxa é porque significa justiça e dignidade.

Parabéns a todas as mulheres da comunidade brasileira e do mundo!!!

Reprodução da imagem que homenageia o Dia Internacional da Mulher, criada pelo Google

Fontes: The Economist, BBC e NHK

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Pesquisa mostra que 86% das pessoas temem que o Japão se envolva em guerra

Publicado em 8 de março de 2023, em Sociedade

Um funcionário do Ministério da Defesa do Japão disse que os entrevistados parecem acreditar que há um ambiente de segurança em agravamento.

Um Kawasaki T-4 da Força Aérea de Autodefesa do Japão na província de Saitama (ilustrativa/banco de imagens)

Mais de 86% das pessoas entrevistadas em uma pesquisa do governo japonês divulgada na terça-feira (7) disseram que veem um perigo do país se envolver em uma guerra, uma porcentagem um pouco maior do que em 2018.

Publicidade

Na pesquisa do Escritório do Gabinete conduzida entre 17 de novembro e 25 de dezembro de 2022, 86.2% dos entrevistados disseram que eles veem tal perigo, o número mais alto desde a pesquisa de 2009, quando as escolhas de resposta foram alteradas para o formato atual.

Na pesquisa anterior, 85.5% dos entrevistados citaram tal risco.

Um funcionário do Ministério da Defesa disse que os entrevistados parecem acreditar que há um ambiente de segurança em agravamento devido à invasão da Rússia à Ucrânia em fevereiro de 2022, ações militares da China nos Mares do Leste e Sul e os contínuos lançamentos de mísseis da Coreia do Norte.

Em uma pergunta com várias respostas sobre por que as pessoas veem tal perigo, 85.7% citaram tensões e conflitos internacionais, enquanto 38.2% disseram que as Nações Unidas não estão funcionando de forma suficiente e 28.2% disseram que o Japão não tem defesas suficientes.

A pesquisa foi realizada em um momento no ano passado quando o governo atualizou os três principais documentos de defesa do país em que ele prometeu melhorar sua dissuasão ao obter “capacidades de contra-ataque” para atingir alvos em território inimigo no caso de emergência.

O Japão também prometeu dobrar seus gastos com defesa.

Fonte: Japan Today

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Banco do Brasil - faça remessas com segurança!
Kumon - aprenda japonês e tenha mais oportunidades!