Inverno poderá ser ainda mais frio no Japão

Há possibilidade da ocorrência do fenômeno La Niña este ano e o Japão poderá registrar temperaturas mais baixas no inverno.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

O fenômeno El Niña provocará alterações climáticas no Japão, com inverno mais frio, caso ocorra (Wikimedia)

A AMJ-Agência de Meteorologia do Japão anunciou na quarta-feira (11) que existe a possibilidade da ocorrência do fenômeno La Niña neste outono e inverno. Prevê-se que a temperatura da superfície do mar nas águas ao largo da costa do Peru, na América do Sul, seja menor do que o valor padrão. A probabilidade da ocorrência do fenômeno é de 50%.

Publicidade

Esse fenômeno ocorre quando a queda da temperatura da superfície passa de 0,5°C nas águas do Oceano Pacífico que banham o Peru.  

A temperatura média de setembro, nas águas da costa do Peru, foi de 24,2°C, ou 0,8°C inferior ao valor padrão dos últimos 30 anos.  

Existe a possibilidade de que a água fria do mar suba para a superfície, fazendo essa temperatura média cair ainda mais.

Possibilidade de inverno mais frio

No céu sobre a área de vigilância, o vento do leste é mais forte do que o normal. E a água do mar quente do lado oeste tem dificuldade para fluir. Essas variações indicam que a baixa temperatura da água provavelmente continuará por 4 a 5 meses no futuro. Porém, a possibilidade de continuar por um longo período de tempo é baixa, informou a AMJ.

No Japão o fenômeno La Niña ocorreu no verão de 2010 até a primavera de 2011. Por conta dele, o país registrou temperaturas altas, históricas, com verão mais quente que o normal.

Caso o La Niña ocorra, o Japão terá um inverno mais frio do que o habitual. Em outras partes do mundo poderão ocorrer anormalidades, como temperaturas mais altas e muita chuva.

Fontes: Chunichi e Mainichi Shimbun
Foto: Wikimedia

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Porta-aviões americano conduz exercícios militares com navio japonês perto de Okinawa

Publicado em 12 de outubro de 2017, em Sociedade

Os exercícios ocorrem em meio às tensões com a Coreia do Norte, visto que os EUA realizam treinamentos aéreos na região com bombardeiros B1-B.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Porta-aviões dos Estados Unidos Ronald Reagan conduz exercício militar com o navio de guerra Shimakaza do Japão perto de Okinawa (NNN)

Uma porta-aviões da marinha dos Estados Unidos, o Ronald Reagan, está conduzindo exercícios militares com um navio de guerra japonês em águas perto de Okinawa a sudoeste da península coreana, informaram militares do Japão na quarta-feira (11).

Publicidade

O exercício ocorre em meio às elevadas tensões com a Coreia do Norte, visto que os Estados Unidos realizam exercícios aéreos na região com bombardeiros B1-B partindo de Guam.

O exercício com o grupo de ataque Reagan, que teve início no sábado (7), envolve embarcações navegando a partir do Canal de Bashi, que separa as Filipinas e Taiwan, a mares ao redor de Okinawa mais perto da Coreia do Norte, disse a Força Marítima de Autodefesa do Japão (FMAJ) em uma declaração.

Um destróier japonês, o Shimakaze, está acompanhando o Reagan de 100 mil toneladas, que tem base no Japão, e seus navios de escolta, disse a FMAJ.

Fonte: Asahi, Agência Reuters
Imagem: NNN

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
UniFCV Japão - Educação a distância
Uninter - JAPÃO - Educação a distância