FDA autoriza reforço de vacina para crianças de 5 a 11 anos

O nível de anticorpos neutralizantes aumentou em 6 vezes em crianças entre 5 e 11 anos após elas terem recebido uma terceira dose.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Frasco de vacina da Pfizer-BioNTech(banco de imagens)

A Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) autorizou o uso de emergência de uma dose de reforço de vacina contra covid-19 da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos.

Publicidade

Nos EUA, terceiras doses da vacina da Pfizer-BioNTech estão sendo administradas a pessoas com idade igual ou superior a 12 anos.

A FDA anunciou na terça-feira (17) que havia alterado sua autorização de uso de emergência para a vacina da Pfizer.

A Pfizer disse em abril que seus testes clínicos mostraram que o nível de anticorpos neutralizantes aumentou em 6 vezes em crianças com idades entre 5 e 11 anos, após elas terem recebido uma terceira dose.

A farmacêutica também disse que a dose de reforço provou ser eficaz contra a variante ômicron, acrescentando que nenhum problema de segurança foi identificado.

Nos EUA, a média de sete dias de novos casos de coronavírus passou de 90 mil. Esse número é cerca de 2,5 vezes maior do que estava durante o mesmo período do mês passado. As hospitalizações também estão em alta.

A FDA emitiu uma declaração na terça-feira dizendo que “a onda da ômicron viu mais crianças ficando doentes e sendo hospitalizadas e elas também podem sofrer efeitos a termos mais longos”.

A agência também disse que uma dose de reforço oferecerá às crianças proteção continuada contra a covid-19.

Fonte: NHK

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Espanha deve se tornar primeiro país europeu a oferecer ‘licença menstrual’ remunerada

Publicado em 18 de maio de 2022, em Notícias do Mundo

O projeto de lei permite às trabalhadoras que sofrem dores durante o período menstrual que tirem dias de descanso.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

‘Licença menstrual’ remunerada para as mulheres que sofrem dores severas no período (ilustrativa/banco de imagens)

O governo da Espanha aprovou na terça-feira (17) um projeto de lei o qual garante “licença menstrual” remunerada para mulheres que sofrem de dores severas no período.

Publicidade

O projeto de lei permite às trabalhadoras que sofrem dores durante o período menstrual que tirem dias de descanso todo mês com o sistema de seguridade social estatal, e não os empregadores, pagando a licença.

Assim como licenças remuneradas para outras razões de saúde, um profissional da saúde deve aprovar a incapacidade médica temporária.

A legislação proposta ainda deve ser aprovada pelo Parlamento, com um voto não esperado por meses. Mas se o projeto de lei for aprovado, a Espanha se tornará o primeiro país ocidental a oferecer licença menstrual às mulheres.

Atualmente, licença menstrual é oferecida em poucos países, dentre eles Coreia do Sul, Japão, Zâmbia e Indonésia, e nenhum na Europa.

O projeto de lei causou debate na Espanha sobre se a licença menstrual remunerada ajudaria ou prejudicaria as mulheres no local de trabalho.

A licença menstrual no Japão

De acordo com reportagem do Daily Mail, no Japão, uma lei que remonta a 1947 determina que empresas devem concordar em oferecer às mulheres licença menstrual se elas a solicitarem, por quanto tempo elas precisarem.

Entretanto, a lei não exige que as empresas paguem as mulheres durante a licença menstrual, mas cerca de 30% das companhias japonesas oferecem remuneração integral ou parcial, de acordo com uma pesquisa de 2020 do Ministério do Trabalho.

O número de mulheres que toma vantagem da lei é baixo. A pesquisa com cerca de 6 mil empresas descobriu que somente 0.9% das trabalhadoras elegíveis haviam tirado licença menstrual.

Fonte: Daily Mail

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
UniFCV Japão - Educação a distância