Página excluída do sistema

A página solicitada foi movida ou excluída

Desculpe, a página solicitada foi excluída do sistema... Por diversos motivos, alguns conteúdos são excluídos após algum tempo.

As seções principais do Portal Mie (clique para abrir):

- HOME - página inicial

- NOTÍCIAS DO JAPÃO E DO MUNDO

- EMPREGOS NO JAPÃO

- EVENTOS E FOTOS PORTAL MIE

- MAGAZINE PORTAL MIE

- AGENDA DE EVENTOS

Por favor utilize a busca do Portal Mie para encontrar outros itens com este mesmo tema.

Publicidade

+ lidas agora

> >

--

EUA homenageiam japonesa que denunciou assédio sexual na Força de Autodefesa

Publicado em 5 de março de 2024, em Notícias do Mundo

Eles homenagearam Rina Gonoi e outras 11 recebedoras do Prêmio Internacional de Mulheres de Coragem em uma cerimônia na segunda-feira (4) na Casa Branca.

Rina Gonoi (centro) posa para foto com a primeira-dama dos EUA Jill Biden (à esq.) e o secretário de Estado dos EUA (à dir.) – (NHK)

Funcionários no Departamento de Estado dos EUA reconheceram uma mulher japonesa que se manifestou sobre assédio sexual.

Publicidade

Eles homenagearam Rina Gonoi e outras 11 recebedoras do Prêmio Internacional de Mulheres de Coragem em uma cerimônia na segunda-feira (4) na Casa Branca.

Gonoi foi elogiada por acender uma luz sobre o que eles chamam de “um assunto tabu na sociedade japonesa tradicional”.

Ela estava atuando na Força Terrestre de Autodefesa do Japão (JGSD) em 2021 quando três sargentos a agrediram sexualmente em uma instalação de treinamento. Ela apresentou uma queixa, mas seus superiores a descartaram.

Gonoi deixou de atuar, levou os homens ao tribunal e, em dezembro, ganhou o caso.

Ela também revelou que enfrentou outros abusos quando estava em serviço e inspirou mais outros 100 membros da JGSD a avançarem para dizer que também foram vítimas. Suas ações espalharam uma investigação interna.

Ela usou um uniforme de judô na cerimônia. Gonoi praticava o esporte desde que era mais jovem e diz que isso a ajudou a “ficar de pé e ser forte” não importando quantas vezes ela tenha sido jogada para baixo.

Outras mulheres que foram reconhecidas incluíram uma advogada do Afeganistão, uma ativista de direitos humanos de Belarus (Bielorrússia) e uma jornalista de Uganda.

Fonte: NHK

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Banco do Brasil - faça remessas com segurança!
UNINTER - Faculdade ONLINE no Japão!