Diretor musical do teatro Bolshoi da Rússia renuncia

Tugan Sokhiev disse que foi pressionado devido a pedidos para tomar uma posição sobre o conflito na Ucrânia.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Ilustrativa (banco de imagens)

O diretor musical e principal condutor do Teatro Bolshoi da Rússia, Tugan Sokhiev, anunciou sua renúncia no domingo (6), dizendo que ele foi pressionado devido a pedidos para tomar uma posição sobre o conflito na Ucrânia.

Publicidade

O russo disse em uma declaração que estava renunciando “com efeito imediato” de seu posto no teatro de Moscou, assim como sua posição equivalente na Orquestra Nacional da França do Capitólio de Toulouse.

Sokhiev não manifestou explicitamente se ele apoia ou se opõe às ações da Rússia na Ucrânia, mas disse, “Eu nunca apoiei e sempre serei contra quaisquer conflitos em qualquer formato”.

Ele disse que músicos estão se tornando “vítimas da chamada cultura de cancelamento” e sugeriu que músicos russos poderiam estar sob ameaça.

Sokhiev é o mais recente em uma série de figuras russas culturais de alto perfil que renunciaram ou foram demitidas por relutância em declarar publicamente suas posições sobre o conflito.

Fonte: The Independent

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Empresas no Japão planejam contratar mais funcionários, mostra pesquisa

Publicado em 7 de março de 2022, em Sociedade

Os números sugerem que as empresas estão prontas para virar a página em relação a limites de contratação colocados em vigor durante a pandemia.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

llustrativa (banco de imagens)

Uma pesquisa do governo mostra que uma parcela recorde de empresas no Japão está planejando contratar mais pessoas em meio a perspectivas econômicas otimistas.

Publicidade

Em janeiro deste ano, o escritório do gabinete entrevistou companhias listadas na primeira e segunda seções do Tokyo Stock Exchange e do Nagoya Stock Exchange. Mais de mil empresas responderam.

Os resultados mostram que 70% estão buscando acrescentar mais funcionários durante o período de 3 anos com início em abril.

O número é um aumento de cerca de 10 pontos percentuais ante a pesquisa anterior há 1 ano. Ele também é o nível mais alto desde 1992, quando dados comparáveis começaram a ser disponibilizados.

Dentre fabricantes, cerca de 80% das empresas que produzem maquinário têm a intenção de expandir suas forças de trabalho. Mais de 70% das companhias químicas também planejam seguir a tendência.

No setor não manufatureiro, 100% das seguradoras e mais de 90% das companhias de construção visam contratar mais.

O escritório do gabinete diz que os números sugerem que as empresas estão prontas para virar a página em relação a limites de contratação colocados em vigor durante a pandemia de coronavírus.

Entretanto, autoridades alertam que os desenvolvimentos na Ucrânia e contínua propagação da variante ômicron devem obscurecer a perspectiva econômica, o que poderia fazer com que as companhias recuassem sobre planos para mais contratações.

Fonte: NHK

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância