Japão planeja vacinação com a quarta dose 5 meses após a terceira

Inicialmente, quartas doses serão oferecidas a pessoas sob risco de desenvolver sintomas graves, incluindo idosos.

Dados mostraram que a eficácia de uma 3ª dose poderia reduzir drasticamente após 6 meses (NHK)

O Ministério da Saúde do Japão está planejando oferecer uma quarta dose de vacina contra coronavírus 5 meses após a terceira injeção.

Publicidade

Fontes do ministério disseram à rede NHK que quartas doses serão inicialmente oferecidas a pessoas sob risco de desenvolver sintomas graves, incluindo idosos e aqueles com condições subjacentes.

Originalmente, o ministério havia dito que o intervalo entre a terceira e quarta doses seria de 6 meses, mas começou a considerar encurtar o espaço de tempo após dados de estudos de Israel, onde quartas doses já estão sendo administradas. Os dados mostraram que a eficácia de uma terceira dose poderia reduzir drasticamente após 6 meses.

As fontes disseram que alguns países estão oferecendo as quartas doses após um intervalo de 4 meses, mas o ministério acredita que um espaço de tempo de 5 meses é necessário para garantir a segurança.

O ministério discutirá seu plano em uma reunião com um painel especialista na próxima semana.

No mês passado, o painel disse que continuará a discutir se quartas doses são necessárias e quem deveria recebê-las, assim como o intervalo entre a terceira e quarta aplicações.

Fonte: NHK

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Infecção mais longa por covid-19 durou 16 meses

Publicado em 22 de abril de 2022, em Notícias do Mundo

A pessoa não identificada tinha outras condições médicas subjacentes e infelizmente morreu no hospital em 2021.

A pessoa com a infecção por covid-19 mais longa, no Reino Unido, morreu em 2021 (ilustrativa/banco de imagens)

Médicos no Reino Unido acreditam que documentaram a infecção mais longa por covid-19, um paciente que eles trataram e que tinha níveis detectáveis do vírus por mais de 16 meses, ou 505 dias, no total.

Publicidade

A pessoa não identificada tinha outras condições médicas subjacentes e infelizmente morreu no hospital em 2021.

Infecções persistentes como essa ainda são raras, dizem os médicos em Londres.

A maioria das pessoas elimina o vírus naturalmente, mas a pessoa em questão tinha um sistema imune severamente enfraquecido.

Infecções crônicas como essa precisam ser estudadas para melhorar nosso entendimento sobre a covid-19 e os riscos que elas podem representar, dizem especialistas.

A pessoa pegou covid-19 pela primeira vez no início de 2020. Ela tinha sintomas e a infecção foi confirmada com um teste PCR (reação em cadeia da polimerase).

Ela frequentou o hospital várias vezes nas 72 semanas seguintes, tanto para verificações de rotina como cuidados.

Em cada ocasião, cerca de 50 no total, a pessoa testou positivo, o que significa que ela ainda tinha covid-19.

Os médicos, do King’s College London e do St Thomas’ NHS Foundation Trust, dizem que análise de laboratório detalhada revelou que era a mesma infecção, persistente.

A pessoa não conseguiu intimidar a infecção, mesmo após a administração de antivirais.

Isso é diferente da “covid longa”, onde o vírus é eliminado do corpo, mas os sintomas persistem.

As descobertas serão apresentadas em uma conferência médica, o Congresso Europeu de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas.

Infecções prolongadas são raras, mas importantes, dizem pesquisadores, visto que elas podem dar origem a novas variantes da covid-19, embora isso não tenha acontecido nesse caso.

Fonte: BBC

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Banco do Brasil - junto a comunidade no Japão
Kumon - aprenda japonês e tenha mais oportunidades!