Polícia procura grupo de estrangeiros que deu golpes de pelo menos ¥90 milhões

Esse grupo é especializado em aplicar golpes em postos de gasolina no Japão.

Imagem ilustrativa de polícia japonesa (Wikimedia)

Até domingo (15), foi descoberto que ocorreram várias transações fraudulentas por parte de um grupo de estrangeiros que fraudavam itens como pneus em postos de gasolina usando cartões de débito, que permitem pagamentos instantâneos de contas bancárias. 

Publicidade

O Sankei Shimbun fez uma reportagem com entrevistados, os quais relataram que os prejuízos chegam a pelo menos 90 milhões de ienes. Mas, há um temor de que esses danos aumentem ainda mais, pois essa quadrilha abusa de um procedimento especial chamado de “autorização de 1 iene”, que faz checking de cartões de crédito e de débito, usado pela bandeira Visa.  

Os cartões utilizados pelo grupo de estrangeiros foram emitidos por um banco do Sri Lanka. Há muitos pontos obscuros nas transações e é possível que pessoas dentro do banco tenham sido cúmplices dessas fraudes.

Do ponto de vista das medidas de combate à lavagem de dinheiro, é necessário esclarecer o estado real das transações fraudulentas por parte das autoridades como a polícia.

De acordo com a empresa operadora de postos de gasolina na província de Ibaraki, a qual sofreu danos, um grupo de cerca de 8 estrangeiros visitou repetidamente os postos desde a primavera de 2020, alternando os membros. Esses estrangeiros faziam compras repetidas de pneus com esses cartões de débito. Seis meses depois, um banco no Sri Lanka exigiu repentinamente o reembolso de dezenas de milhões de ienes do lado japonês, por isso o problema foi descoberto. Também foi confirmado que os pneus vendidos no posto foram revendidos.

Polícia à procura desse grupo de fraudadores estrangeiros

A Polícia da Província de Ibaraki está ciente de alguns dos danos e abriu uma investigação. Um grande atacadista de petróleo também pede cautela às lojas associadas, dizendo que problemas semelhantes ocorreram em postos de gasolina afiliados e há o temor de que os prejuízos se espalhem para outras regiões.

Nos postos de gasolina a soma a ser paga é determinada de acordo com a quantidade de combustível abastecido, portanto, para pagar com cartão um valor abaixo de um determinado valor é realizado o procedimento da “autorização de 1 ienes” para confirmar a validade do cartão. Depois o 1 iene é subtraído do valor a ser pago.

No entanto, as principais bandeiras internacionais de cartões, como Visa, não aceitam a “autorizações de 1 iene” ao vender mercadorias como pneus nos postos de gasolina e permitem solicitações de reembolso por bancos e outros provedores de pagamento.

Acredita-se que o grupo de estrangeiros tenha abusado dessas regras, procurando lojas que introduziram o sistema de “autorização de 1 iene” para vendas em lojas e conduzindo repetidamente transações fraudulentas mostrando que se pode efetuar uma transação de pagamento internacional de forma correta.  

Existe a possibilidade de que os danos causados ​​por esse tipo de transação fraudulenta aproveitando desse procedimento possam ter se espalhado para outros tipos de estabelecimentos comerciais, inclusive fora da província de Ibaraki.  

A corda arrebenta para o lado mais fraco: postos de gasolina

Imagem ilustrativa de posto de gasolina com venda de pneus (Wikimedia)

“Este cartão só pode ser usado para pagamentos de menos de 10 mil ienes. Eu gostaria de pagar em várias parcelas”, teria dito um membro desse grupo em janeiro de 2020, para comprar os pneus. Assim, foi feita a transação com o cartão de débito internacional. 

Depois disso, o grupo de estrangeiros continuou visitando a loja. Com o aumento da quantidade de compras, a gerência do posto confirmou se houve algum problema com a Marubeni Energy, que disponibiliza o sistema de pagamento, por precaução. A empresa disse: “Se o sistema funcionar, tudo bem”, e como o dinheiro foi devidamente depositado no posto de gasolina em questão, continuou vendendo. 

Imagem meramente ilustrativa de um cartão de débito com bandeira Visa (Visa)

No entanto, meio ano depois, a situação mudou completamente. A Mitsubishi UFJ Nicos, que é uma instituição financeira que atua como intermediária nas transações internacionais, recebeu fatura pelo banco de Sri Lanka, argumentando que houve violação nas regras internacionais da bandeira Visa no procedimento de “autorização de 1 iene”. A Nicos teve que atender ao pedido de reembolso, resultando na transferência de uma grande quantia para o banco de Sri Lanka.  

Em resposta a uma entrevista solicitada pelo Sankei Shimbun, a Nicos insistiu que “nossa empresa não tem culpa”, enquanto a Marubeni Ene se recusou a responder, alegando “questões relacionadas a transações individuais”. Agora está pedindo aos postos de gasolina que arquem com os prejuízos, embora a responsabilidade seja ambígua.  

Fonte: Sankei Shimbun

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Japão considera revisar recomendação sobre uso de máscara em ambientes fechados

Publicado em 16 de janeiro de 2023, em Sociedade

A mudança de política sobre regras de uso de máscara pode ocorrer já nesta primavera em conjunto com a reclassificação da Covid.

O governo está considerando relaxar as orientações sobre uso de máscara em ambientes fechados (ilustrativa/banco de imagens)

Três anos após o coronavírus ter chegado ao país, o Japão está considerando revisar sua recomendação sobre uso de máscara em ambientes fechados, disse uma fonte do governo no sábado (14).

Publicidade

A mudança política, a qual recomendaria que apenas pessoas com sintomas usem máscara em ambientes fechados, foi lançada quando o governo discute a reclassificação da covid-19 para o mesmo nível da influenza sazonal.

Em suas medidas anticoronavírus que foram revisadas em maio passado, o governo disse que máscaras não são necessárias em ambientes ao ar livre, desde que as pessoas não estejam conversando, embora muitas continuem a usar o acessório de proteção apesar da mudança.

Segundo as orientações, ainda é recomendado que as pessoas usem máscaras quando estão em ambientes fechados, com exceção em casos onde o distanciamento social acima de 2 metros é garantido e onde praticamente não há conversas.

De acordo com a fonte, o governo está considerando relaxar as orientações sobre uso de máscara em ambientes fechados, visto que ele acredita que quando a covid-19 for rebaixada da classe 2 para a classe 5 sob a lei de doenças infecciosas, medidas anti-infecção também deveriam estar a par com aqueles para patógenos de classe 5.

A mudança de política sobre regras de uso de máscara pode ocorrer já nesta primavera em conjunto com o rebaixamento da reclassificação da Covid, disse a fonte.

Entretanto, especialistas em doenças infecciosas continuam cautelosos sobre uma mudança radical nas regras sobre uso de máscara, dizendo que é melhor usá-las em locais aglomerados ou quando há suspeita de que uma pessoa esteja com coronavírus.

Alguns dizem que acabar com a recomendação sobre uso de máscaras no Japão rapidamente, assim como fizeram os EUA e países europeus, poderia levar a um aumento nas mortes por covid-19, dada a grande população idosa do país.

Fonte: Japan Times

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
Life Card - cartão exclusivo para brasileiros