Dezenas de notas falsas de 100 dólares são encontradas em Tóquio

As pessoas devem estar cientes da situação, visto que a conversão de moedas está em alta enquanto mais turistas estrangeiros visitam o Japão, alerta uma empresa especializada em detectar dinheiro falso.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Na nota falsa, a faixa azul no centro é mais clara e um design no lado inferior direito fica verde amarelado quando colocado na luz ultravioleta (NHK/reprodução)

Dezenas de notas falsas de 100 dólares foram descobertas em Tóquio, levando as autoridades a iniciarem uma investigação.

Publicidade

Segundo fontes, as notas falsas foram encontradas no início deste mês em quatro estabelecimentos que realizam câmbio monetário em Tóquio.

Funcionários perceberam leves diferenças na textura e pediram a uma empresa especializada em detectar dinheiro falso que conduzisse uma análise. A empresa disse que dezenas de notas forjadas foram encontradas até agora.

À primeira vista, as notas são praticamente idênticas às reais. No entanto, especialistas dizem que a faixa azul no centro parece um pouco diferente e que um design no lado inferior direito fica verde amarelado quando colocado na luz ultravioleta.

Lojas que realizam conversão de moeda estrangeira usam máquinas para verificar a autenticidade das notas que elas manuseiam ao medir os níveis magnéticos no pigmento usado nelas. Contudo, as notas forjadas passam por algumas máquinas sem serem detectadas.

Notas de 100 dólares nas quais a mais recente tecnologia de combate à falsificação é aplicada vêm sendo emitidas nos últimos quatro anos.

Segundo o chefe do instituto de pesquisa, Tomohiko Endo, pode haver lojas de conversão de moedas que ainda precisam se dar conta que estão manuseando notas falsas, visto que elas foram extremamente bem feitas.

Ele alerta que as pessoas devem estar cientes da situação, visto que a conversão de moedas está em alta enquanto mais turistas estrangeiros visitam o Japão.

Fonte e imagem: NHK

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Comunidade brasileira no Japão é a quinta entre os estrangeiros

Publicado em 30 de outubro de 2017, em Sociedade

Já foi a terceira maior. Com o visto para yonsei, a comunidade brasileira ultrapassaria a vietnamita, ficando em quarto lugar?

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Comunidade brasileira na Festa do Brasil em Nagoia 2017 (Portal Mie/arquivo)

Em 2007 a população brasileira fechou o ano com recorde: 316.967 pessoas. A curva de crescimento variava de 14 a 15% anualmente, no período de 1997 a 2007.

Publicidade

Ninguém da comunidade imaginava que o Lehman Shock afetaria tanto a vida de todos os estrangeiros e também da sociedade japonesa. As festividades para comemorar o Centenário da Imigração Japonesa logo foram esquecidas por causa do Lehman Shock, em 15 de setembro. Foi o estopim para uma grande crise financeira que atingiu todo o mundo. O Japão não ficou de fora.

Desemprego na comunidade e a volta ao Brasil

A histórica crise afetou os trabalhadores. O desemprego foi assombroso. Os trabalhadores brasileiros que possuíam algum tipo de reserva econômica deixaram o Japão. No final de 2008 os números mostraram essa realidade: 309.448. A comunidade tinha 7,5 mil pessoas a menos. No ano seguinte – 2009 – 52.318 a menos. A estatística fechou com 264.649 verde amarelos.

O inesperado Grande Terremoto do Leste do Japão, em 11 de março de 2011 agravou ainda mais a situação no país. Afetou também os trabalhadores estrangeiros.

De 2007 a 2011, a redução foi drástica: 107.102 pessoas a menos. O fechamento daquele ano foi de 209.265 brasileiros. Esses números mostram que cerca de 100 mil brasileiros receberam a ajuda financeira oferecida pelo governo japonês e deixaram o país.

A partir daí comentários de que enquanto não passassem os 3 anos da ajuda financeira eles não poderiam retornar ao Japão.

A comunidade encolheu. Retraiu o mercado, com encerramento de atividades comerciais como lojas e prestadoras de serviços.

Comunidade filipina

Enquanto isso, a comunidade filipina cresceu. Em 2008 eram 193.426 e em 2014 ela saltou para 217.585 pessoas. Desde 2012 passou a ser a terceira maior comunidade estrangeira no arquipélago japonês.

Dados dos estrangeiros top no Japão: em 2017 o fechamento foi em junho

Já a vietnamita que em 2008 tinha pouco mais de 40 mil pessoas, em 2016 ultrapassou a brasileira, com quase 200 mil (199.990). Assim, a comunidade verde amarela caiu para o quinto lugar no ranking dos povos estrangeiros.

Em 30 de junho deste ano a comunidade brasuca fechou a estatística com quase 186 mil pessoas (185.967). Está voltando a crescer numericamente, mas somente a metade do que já ocorreu no passado, com 7,5%.

Comunidade brasileira apresentou pequeno crescimento entre dez/2015 a jun/2017

Visto para yonsei

A expectativa para o comércio e prestação de serviços voltados para o público verde amarelo é a aprovação do projeto de lei para a concessão do visto para o yonsei – nikkei de quarta geração.

Mikio Shimoji, o qual foi reeleito deputado pela população de Okinawa, vai cumprir o seu sexto mandato. Foi ele o autor do projeto que concede o visto para o nikkei de quarta geração, segundo o próprio. Esteve no Brasil e em outros países da América do Sul. Na sua palestra, em 21 de julho deste ano, ele explicou sobre o visto working holiday. E seria limitado a mil por ano.

Em 18 deste mês, o jornal Asahi publicou uma matéria sobre o assunto. O recém reeleito, pegou carona e publicou uma nota no seu perfil do Twitter.  “Este sistema fortalecerá ainda mais nossos laços com a sociedade nikkei”, escreveu. Complementou explicando que foi o autor do projeto e que está feliz por estar caminhando para a concretização.

Yoko Kamikawa, 64, Ministra da Justiça, explicou como seria o visto para o yonsei, em agosto deste ano. Alguns pontos são diferentes do que Shimoji explicou. Ele seria aplicável para os de quarta geração, entre 18 e 30 anos, por 3 anos, renovável a cada ano, e a condição de conhecer o idioma japonês.

Caso o projeto seja aprovado ainda este ano, é possível que milhares de brasileiros possam voltar ou vir pela primeira vez ao Japão. Ainda não se pode estimar a quantidade, já que não se sabe em que condições será aprovado o projeto.

Perspectivas da comunidade

Supondo que não seja limitado a mil por ano (Brasil e outros países), como Shimoji disse, se ⅓ dos que receberam a ajuda financeira do governo japonês decidirem voltar, são 30 mil.

Se isso ocorrer, há possibilidade de fechar a estatística de junho de 2018 com mais de 200 mil brasileiros.

Tabela comparativa com último dado de jun/2017

Ainda assim, ficaria em quinta posição no ranking dos povos estrangeiros. Para ultrapassar a vietnamita seria necessário um aumento repentino de 70 mil pessoas, já a vietnamita tem tido um crescimento acima dos 9% ao ano.

Com isso, comércio e prestadores de serviços continuarão na expectativa para a comunidade brasileira voltar a ter a energia de antes da crise.

O pico da queda foi em 2014 mas a comunidade brasileira voltou a crescer acompanhando a curva de todos os estrangeiros (Portal Mie)

Fonte: Ministério da Justiça
Imagens e fotos: Portal Mie

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
UniFCV Japão - Educação a distância
Uninter - JAPÃO - Educação a distância