Mulher morre após ser exposta ao agente nervoso Novichok

Autoridades britânicas disseram que o Novichok também foi usado em uma tentativa suspeita de matar um ex-espião russo e sua filha na cidade próxima de Salisbury em março.

Dawn Sturgess morreu após ser exposta ao agente nervoso Novichok na cidade de Amesbury (NHK)

A polícia britânica informou que uma mulher exposta ao fatal agente nervoso Novichok morreu em um hospital na Inglaterra no domingo (8).

Publicidade

Dawn Sturgess, de 44 anos, e um homem de 45, ficaram gravemente doentes em 30 de junho na cidade de Amesbury, ao sul da Inglaterra. Vestígios de Novichok foram detectados em amostras tiradas do corpo do casal.

A condição de saúde do homem continua crítica.

Autoridades britânicas disseram que o Novichok também foi usado em uma tentativa suspeita de matar um ex-espião russo e sua filha na cidade próxima de Salisbury em março.

O comissário assistente da polícia metropolitana, Neil Basu, que lidera as operações antiterrorismo do Reino Unido, disse em uma declaração que a morte é perturbadora e trágica.

Basu frisou que a morte de Sturgess só serviu para fortalecer a determinação da polícia em identificar e trazer para a justiça os responsáveis pelo ato bárbaro e revoltante.

A polícia está investigando a morte como caso de assassinato e acredita que o casal britânico entrou em contato com algo contaminado com o Novichok.

Investigadores estão tentando determinar se o casal se deparou com o agente nervoso e também como o incidente se relaciona àquele do ex-espião russo e sua filha.

O Novichok foi desenvolvido na União Soviética

O nome Novichok significa “recém-chegado” em russo e se aplica a um grupo de agentes nervosos avançados desenvolvidos pela União Soviética nos anos 1970 e 1980.

Eles eram conhecidos como a quarta geração de armas químicas e foram desenvolvidos sob um programa soviético denominado Foliant.

Mais tóxico que outros agentes nervosos

Acredita-se que algumas variações do Novichok sejam de cinco a oito vezes mais tóxicas do que o agente nervoso VX.

“Esse é um agente  mais perigoso e sofisticado que o sarin ou o VX e é mais difícil de identificar”, disse o professor Gary Stephens, um especialista em farmacologia na Universidade de Reading.

O agente VX foi a substância química usada para matar o meio-irmão de Kim Jong-un no ano passado, de acordo com os EUA.

“Eles (os agentes nervosos Novichok) não evaporam e não se dissolvem na água”, disse Andrea Sella, professor de química inorgânica da University College London.

Uma dificuldade é que o Novichok é menos estudado e compreendido em relação a outros agentes nervosos, e não há dados científicos oficiais sobre o quanto eles duram.

Enquanto alguns agentes Novichok são líquidos, acredita-se que outros existam na forma sólida. Isso significa que eles podem se espalhar como um pó ultrafino.

Os sintomas são similares ao de outros agentes nervosos

Agentes Novichok têm efeitos similares ao de outros agentes nervosos. Eles agem ao bloquear mensagens dos nervos aos músculos, causando um colapso da maioria das funções corporais.

De acordo com o químico Dr. Mirzayanov, o primeiro sinal para prestar atenção é a miose, o estreitamento das pupilas.

Uma dose maior poderia causar convulsões e interromper a respiração, disse.

“Então começam a convulsões contínuas e vômitos, e então um resultado fatal”.

Segundo o Dr. Mirzayanov, houve antídotos – atropina e athene – os quais ajudaram a interromper a ação do agente, mas não eram uma cura.

Se uma pessoa for exposta ao agente nervoso, suas roupas devem ser retiradas e a pele lavada com sabão e água. Os olhos devem ser enxaguados e a pessoa deve receber oxigênio.

Fonte e imagem: NHK

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Casos de sífilis no Japão voltam a aumentar e atingem nível recorde

Publicado em 9 de julho de 2018, em Sociedade

A maioria dos pacientes são homens adultos, mas a doença agora vem se espalhando entre mulheres na faixa dos 20 e 30 anos.

O Instituo Nacional de doenças Infecciosas informou que 5.829 casos de sífilis foram registrados em 2017 (imagem ilustrativa)

Casos de sífilis no Japão aumentaram repentinamente, atingindo a marca de 5.000 pela primeira vez em 44 anos em 2017, com o número podendo aumentar em 2018 também.

Publicidade

O aumento no ano passado foi principalmente notável em pessoas que moram em cidades grandes e mulheres jovens. Geralmente, os pacientes não percebem que estão infectados e infectam outros antes de receberem tratamento.

Especialistas na área da saúde recomendam um checkup imediato se a pessoa achar que está sob risco de ter contraído a doença sexualmente transmissível.

A sífilis é causada pela bactéria Treponema pallidum. Ela é transmitida principalmente através da pele, assim como pela membrana mucosa dos órgãos sexuais e da boca.

Se deixada sem tratamento, nos piores casos, pode resultar em danos cerebrais e até em morte.

Em 1948, o Japão ainda se recuperava de um pesadelo da 2ª Guerra Mundial, visto que 220 mil pessoas foram diagnosticadas com a doença.

O número de pacientes diminuiu drasticamente devido à disseminação da penicilina, descoberta somente em 1928, e uma repressão na indústria do sexo.

Menos de mil casos haviam sido reportados anualmente desde meados dos anos 1990. Contudo, eles aumentaram rapidamente nos últimos cinco anos.

O Instituto Nacional de doenças Infecciosas informou que 5.829 casos de sífilis foram registrados em 2017, 3,5 vezes mais o número para 2014. O número de pacientes aumentou em duas vezes ou mais em 38 províncias.

Um aumento sete vezes maior, 49 casos, foi registrado em Takamatsu (Kagawa), a menor província do Japão. O número para a província de Aomori foi de 63, ou 31 vezes maior que 2014.

Sífilis congênita

Os sintomas da sífilis incluem inchaços e úlceras nas áreas genitais, assim como na boca, e se desenvolvem dentro de várias semanas da infecção.

Geralmente, os pacientes não percebem que estão infectados visto que os sintomas melhoram mesmo sem tratamento.

Como o agente patogênico se espalha na fase inicial da infecção, ele causa erupções cutâneas e na membrana mucosa em todo o corpo. Mas esses geralmente desaparecem bem rápido, então, os portadores não têm consciência de que estão infectados.

Sem tratamento apropriado, uma pessoa pode desenvolver problemas de memória e danos no sistema nervoso periférico.

Especialistas na área da saúde alertam as pessoas para tomarem proteções óbvias se não têm certeza da atividade sexual passada do (a) parceiro (a).

Um simples teste sanguíneo, geralmente oferecido em centros de saúde gratuitamente, mostra se a pessoa está infectada.

Agentes antibacterianos para tratar a doença devem ser tomados por até 12 semanas.

A maioria dos pacientes são homens adultos, mas a doença agora vem se espalhando mesmo entre as mulheres com idade na faixa dos 20 e 30 anos.

A sífilis em grávidas pode provocar abortos, enquanto a sífilis congênita pode afetar o feto, principalmente o fígado, olhos e ouvidos.

Fonte: Asahi
Imagem: Banco de imagens

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
Empregos no Japão - HUMAN