Apple aumentará preços de apps na Europa, Ásia e América do Sul

Os preços de apps subirão na App Store a partir do próximo mês em toda a zona do euro e em alguns países na Ásia e América do Sul.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Ícone da App Store (banco de imagens)

A Apple disse na terça-feira (20) que aumentará os preços de compras de apps e in-apps em sua App Store a partir do próximo mês em toda a zona do euro e em alguns países na Ásia e América do Sul.

Publicidade

Os novos preços, excluindo assinaturas com renovação automática, serão efetivos a partir de 5 de outubro, disse a Apple em um post de blog.

Um rápido aumento da inflação, taxas de juros e preços de energia neste ano afetaram o iene, o euro e a maioria das moedas de economias emergentes.

Além de países da zona do euro, os aumentos de preços afetarão Suécia e Polônia na Europa; Japão, Malásia, Paquistão, Coreia do Sul e Vietnã na Ásia e Chile na América do Sul.

Fonte: Channel News Asia

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Vacinas e imunidade através de infecção podem ter diminuído casos de Covid na 7ª onda

Publicado em 21 de setembro de 2022, em Sociedade

Progresso nas vacinações e imunidade coletiva adquirida através de infecção podem estar por trás da atual tendência de queda de casos de Covid no Japão, dizem especialistas.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Ilustrativa (banco de imagens)

Com a convicção de que a 7ª onda de infecções por covid-19 tenha passado o pico, especialistas no Japão dizem que um progresso nas vacinações e imunidade coletiva adquirida através de infecção podem estar por trás da atual tendência de queda.

Publicidade

Na sétima onda, que afetou o Japão neste verão, a altamente transmissível subvariante da ômicron, a BA.5, foi a cepa dominante. O número cumulativo de casos de covid-19 no país chegou a 10 milhões em 14 de julho e 20 milhões cerca de 2 meses depois.

Nesse meio tempo, novos casos diários marcaram um recorde de 260.923 em 19 de agosto, mas começaram a cair rapidamente após isso, embora nenhuma restrição sobre movimento relacionada ao coronavírus estivesse em vigor.

A queda pode ter sido amplamente devido a uma “imunidade coletiva temporária” resultado de vacinações e infecções, disse o chefe do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, Takaji Wakita.

8ª onda de infecções

Há preocupações de que infecções por coronavírus e influenza aumentem ao mesmo tempo neste inverno.

Nenhum surto de influenza ocorreu no Japão nas últimas duas temporadas, e o número de pessoas sem imunidade pode ter aumentado como resultado.

Doenças respiratórias infecciosas tendem a se espalhar no inverno.

Em particular, muitas pessoas podem ver os efeitos de vacinas contra Covid que elas tomaram no passado diminuírem neste verão.

Uma 8ª onda de infecções por coronavírus é altamente provável neste inverno”, alertou o professor da Universidade Médica de Tóquio, Atsuo Hamada, acrescentando que casos de covid-19 e de influenza podem aumentar simultaneamente.

Fonte: Japan Times

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
UniFCV Japão - Educação a distância
Kumon - aprenda nihongo por correspondência