Demissões da Ford na China devem afetar 1,3 mil trabalhadores

‘Essas ações são necessárias para a construção de um negócio mais saudável e sustentável na China’, disse uma porta-voz da Ford.

Vendas de carros da Ford diminuíram na China, o maior mercado de veículos do mundo (banco de imagens)

A Ford Motor Co. planeja cortar empregos na China, potencialmente em mais de 1,3 mil, visto que suas vendas caíram no maior mercado de carros de mundo, reportou a mídia local.

Publicidade

As vendas na China diminuíram para menos de meio milhão de unidades pela 1ª vez em uma década no ano de 2022, dando continuidade a uma queda desde 2016, quando a montadora dos EUA enviou 1,27 milhão de veículos e teve uma participação de mercado de 4,6%.

Essa participação caiu para 2,1% no ano passado, já que consumidores chineses cada vez mais abraçaram veículos elétricos fabricados pela Tesla e competidoras locais como a BYD.

“Nossos custos não são competitivos e estamos trabalhando internamente e com nossos parceiros para reduzir gastos em todas as áreas”, escreveu uma porta-voz da Ford em um email de reposta ao site Bloomberg. “Podemos ganhar apenas através de uma organização simples e ágil. Essas ações são necessárias para construirmos um negócio mais saudável e sustentável na China”,

Ela não especificou quantos empregos seriam cortados ou falou sobre um período de tempo.

A Ford tem apenas um modelo elétrico, o Mustang Mach-E, à venda na China.

A Ford disse no início deste ano que eliminaria 3,8 mil empregos por toda a Europa devido a altos custos em meio à transição para veículos elétricos.

A companhia, que emprega 173 mil pessoas no mundo, disse que investirá US$50 bilhões em produção de elétricos até 2026.

Fonte: Bloomberg

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

G7: Brasil anuncia presença de Lula na cúpula em Hiroshima

Publicado em 16 de maio de 2023, em Notícias do Mundo

O Brasil é um dos principais países emergentes e em desenvolvimento do Sul global com o qual Kishida visa fortalecer cooperação.

A cúpula do G7 em Hiroshima começa na sexta-feira, 19 de maio (banco de imagens)

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, visitará o Japão a partir de sexta-feira (19) para participar da cúpula do G7 na cidade de Hiroshima no mesmo dia, disse o governo brasileiro na segunda-feira (15).

Publicidade

Essa será a 7ª vez que Lula participa de uma cúpula do G7 ou G8. Ele esteve presente na G8 que foi realizada em Toyako (Hokkaido) no ano de 2008.

Lula partirá do Brasil na quarta-feira (17). Durante sua estada no Japão, o presidente planeja se encontrar com o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida.

O Brasil é um dos principais países emergentes e em desenvolvimento do Sul global com o qual Kishida visa fortalecer cooperação. Líderes da Índia e Indonésia, que igualmente estão entre as nações do Sul global, também foram convidados para a cúpula em Hiroshima.

O G7 é o grupo dos países mais industrializados do mundo formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, embora a União Europeia também esteja representada.

Fonte: Nippon, Jiji

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Banco do Brasil - junto a comunidade no Japão
Kumon - aprenda japonês e tenha mais oportunidades!