Sempre é tempo de estudar: aluna brasileira de 74 anos ingressa no ginásio

Uma escola ginasial que oferece o curso à noite teve a cerimônia de ingresso adiada por causa do coronavírus. Finalmente todos puderam começar a estudar.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Cerimônia de ingresso no ginásio noturno (Tokyo Shimbun)

A Escola Ginasial Joso Mitsukaido, na cidade de Joso (Ibaraki), a qual oferece curso noturno, teve a cerimônia de ingresso adiada por causa da pandemia. Mas, em 2 deste mês, finalmente, os alunos puderam comparecer à escola para iniciar o primeiro ano letivo.

Publicidade

O curso ginasial noturno é oferecido somente em 10 províncias e essa é a 34.ª do país. 

Em Joso há muitas indústrias alimentícias, as quais empregam trabalhadores estrangeiros, principalmente brasileiros. Os residentes estrangeiros fazem parte dos 9% da população local. E eles são maioria nesse curso noturno. Dos 20 alunos 14 são de outros países.

São 6 japoneses, 9 brasileiros, 2 peruanos e 2 filipinos e um nepalês. A faixa etária vai dos 10 aos 70 anos, bem variada, formando uma classe com diversidade.

Parece um sonho 

“Sempre quis voltar a estudar, pois depois do terceiro ou quarto ano do primário não tive oportunidade. Parece um sonho”, exclamou a brasileira Misako Tanabe, 74 anos, nissei, com mais de 30 anos de residência no Japão. 

Relatou que é de uma família com 11 irmãos, a mais velha. Desde a tenra idade cuidou dos seus irmãos, da lavagem das roupas, do preparo da comida e ajudou os pais na lavoura. Tendo trabalhado em uma indústria de pães, decidiu estudar porque com o avanço da idade poderia perder a oportunidade. 

“Meu sonho é aprender kanji para poder ler jornais e revistas”, disse ela, que sabe falar e ler hiragana e katakana.

De volta à escola por causa dos sonhos

Uma outra brasileira, de sobrenome Asanuma de Oliveira, 44, veio ao Japão com 18 e reside em Joso há mais de 20 anos. Embora saiba falar o idioma dos ancestrais e seja formada no colegial, quer aprender mais. Ler e escrever são importantes para o cotidiano. “Meu filho estuda nesta mesma escola, de dia. Vou me esforçar para não perder pra ele”, disse. 

Yuri Hiratsuka, 29, japonesa, abandonou o ginásio no passado por causa do bullying. Soube dessa escola pelo seu marido e voltou aos bancos com o sonho de empreender e de ser uma mãe que possa ajudar seus filhos nas tarefas escolares.

Os 20 alunos iniciam as aulas às 17h25 e seguem até 20h45, com a mesma grade curricular do curso diurno.

Fonte: Tokyo Shimbun

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Garoto de 15 anos é encontrado morto com tiro na cabeça

Publicado em 8 de junho de 2020, em Crime

A polícia vê o caso como suicídio, em sua casa, mas investiga como e onde obteve a arma de fogo.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!
.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
UniFCV Japão - Educação a distância
Uninter - JAPÃO - Educação a distância