Por que se deve evitar fazer compras online à noite

Os apps das empresas e redes facilitam as compras para os consumidores. Mas fazer compras à noite requer cuidado.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Mulher com mobile na mão, na escuridão da noite (MaxPixel)

Basta um smartphone na mão, um monte de apps de lojas e de redes para as práticas compras online 24 horas do dia, 365 dias do ano. Sem dúvida, agilizam a vida do atual momento.

Ainda por cima, muitas empresas colocam o anúncio “compras acima do valor X têm frete gratuito”. Assim, o dedo desliza ainda mais sobre a tela em busca daquele item que talvez nem seja tão importante só para não pagar a taxa de entrega. As empresas sabem como mexer no psicológico dos consumidores, pois isso, muitas vezes é feito de forma intuitiva.

Bons motivos para evitar compras online à noite

Segundo a revista japonesa Josei Jishin, a recomendação é evitar as compras online à noite. O motivo é bem simples. O julgamento fica embotado, depois de um dia cansativo, e acaba comprando o que não precisa. 

Especialmente, se é em um horário que já deveria estar na cama dormindo e não deslizando o dedo sobre a tela, como 23h à meia-noite. Isso piora quando o consumidor já ingeriu alguma bebida alcoólica. 

Mulheres gastam o dobro

Não há muita diferença nos gastos entre consumidores do sexo masculino com o feminino nas lojas físicas. Mas, quando se trata de lojas online, as mulheres gastam o dobro dos homens.

De acordo com uma pesquisa do Ministério de Assuntos Internos e Comunicações, as famílias que fazem compras online gastam a mais 1.333 ienes em eletrodomésticos, 583 ienes em roupas e 416 ienes em móveis, em comparação com as famílias que não compram online.

Assim, se comprar apenas o que realmente precisa, poderá economizar 2.332 ienes na loja online. Pode não parecer muito, mas se fizer isso 1 vez ao mês gastaria 27.984 a mais no ano.

Por isso, resista à tentação de fazer compras pelos apps à noite. É melhor deixar para a manhã ou tarde seguinte.

Fonte: Josei Jishin

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Toyota recebe o pior ranking entre montadoras para redução de emissões de CO2

Publicado em 4 de novembro de 2021, em Notícias do Mundo

O grupo do Greenpeace classificou a Toyota e a Stellantis, empresa euro-americana com grau ‘F menos menos’ por esforços de descarbonização.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

A japonesa Toyota e a euro-americana Stellantis tiveram baixa classificação no rankingo do Greenpeace (banco de imagens)

A montadora que mais vende carros do mundo, a Toyota, ficou em último em um ranking da Greenpeace de esforços para reduzir emissões de carbono por empresas de automóveis, de acordo com uma lista publicada em 28 de outubro durante a cúpula do clima COP26.

O grupo de campanha classificou a Toyota e a Stellantis, empresa euro-americana com grau “F – – (F menos menos)” por esforços de descarbonização, incluindo a eliminação de motores que queimam combustíveis fósseis que aquecem o planeta em favor de veículos elétricos.

Minimizar as emissões de carbono na rede de fornecimento e reutilizar ou desenvolver tecnologia mais ecológica para baterias de carros estavam entre os fatores examinados no relatório que comparou 10 principais montadoras.

A General Motors recebeu uma classificação de grau C-, seguida por um D para a Volkswagen e um D- para a Renault.

Todas as outras empresas, incluindo a Ford, Honda e Hyundai-Kia, foram classificadas com F + ou F-.

“A Toyota, a maior vendedora de carros do mundo no ano passado, é a mais resistente em manter motores à combustão”, disse Ada Kong, gerente sênior de projetos da campanha da indústria de automóveis na Greenpeace no Leste Asiático.

A Toyota disse em setembro que investiria 1,5 trilhão de ienes em baterias para carros elétricos e híbridos até 2030.

Ela se negou a comentar antecipadamente sobre a publicação do relatório de emissões, em que o Greenpeace encoraja montadoras a adotarem veículos completamente elétricos.

A avaliação ocorreu quando líderes mundiais se encontraram em Glasgow, na Escócia, nesta semana como parte da conferência climática COP26, considerada vital para a viabilidade continuada do Acordo de Paris de 2015.

Fonte: Japan Today

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Banco do Brasil - Japão
Info para brasileiros de Mie-ken
Kumon - aprenda japonês e tenha oportunidades