Agito inesperado durante voo da Solaseed foi considerado acidente aéreo

Uma comissária de bordo se feriu durante esse acidente do agito da aeronave.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Aeronave da Solaseed (Flickr)

Por volta das 8h36 de sábado (16), após a decolagem do Boeing 737-800 do voo 41 da companhia Solaseed Air, de Naha para Ishigaki (Okinawa), a aeronave balançou e uma das tripulantes que estava no serviço de bordo caiu e teve fratura de um dos dedos do pé esquerdo.  

Publicidade

Os demais 5 tripulantes e os 127 passageiros não tiveram lesões. Mas, o Ministério da Terra, Infraestrutura, Transporte e Turismo (MLIT) considerou a ocorrência como acidente aéreo, por isso o Japan Transport Safety Board investiga a causa.

De acordo com o MLIT, o acidente ocorreu a uma altitude de 7,8 mil metros, a cerca de 120 quilômetros a sudoeste do Aeroporto de Naha.

Segundo a empresa, 12 minutos após a decolagem, a comissária de bordo que estava na frente da cabine, segurava uma bandeja nas duas mãos e estava no serviço de bordo para distribuir bebidas aos passageiros. Na queda, ela não conseguiu se proteger com as mãos. Nesse momento, o sinal de uso do cinto não estava aceso e havia iniciado o serviço de bordo.

“A aeronave estava em um voo estável e ocorreu um tremor inesperado”, explicou a companhia aérea. A aeronave chegou ao Aeroporto de Painushima Ishigaki às 9h04, mais cedo do que o horário previsto de chegada, 9h25.  

Voos cancelados por causa desse acidente

Segundo a Solaseed, por causa desse acidente, 4 voos foram cancelados no sábado, incluindo um outro de Naha a Painushima Ishigaki e outro com destino a Haneda, afetando um total de 538 passageiros.  

No dia seguinte, domingo (17), um total de 6 voos foram cancelados, o que afetou 521 passageiros. 

Fonte: Okinawa Times

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Um dos pescadores admitiu ter esfaqueado algumas das tartarugas encontradas mortas

Publicado em 18 de julho de 2022, em Sociedade

A associação dos pescadores declarou que foi por decisão de um e não é algo que acontece diariamente.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Tartarugas marinhas encontradas mortas em Kumejima (Museu das Tartarugas via FNN)

Pelo menos 30 a 50 tartarugas marinhas foram encontradas sangrando e morrendo na vila e ilha de Kume (Kumejima), a 100 quilômetros a oeste de Naha (Okinawa).

Publicidade

Tanto a prefeitura quanto a polícia continuam investigando a causa da morte dessas dezenas de tartarugas marinhas. Mas, um dos pescadores da ilha disse que “não tive outro jeito senão esfaqueá-las”, porque esses seres marinhos ficam presos às suas redes de pesca.   

Yuji Tabata, líder da Cooperativa de Pesca de Kumejima, disse no sábado (16) que matar as tartarugas foi um “julgamento individual” e que “não é algo que acontece diariamente”.

“O controle das tartarugas sempre foi um desafio. Não queremos matá-las“,  afirmou. Por outro lado, explicou que os pescadores sofrem com elas enroscadas nas redes. “Gostaria de solicitar à prefeitura da vila de Kumejima que compense pelas redes rasgadas para que as tartarugas possam ser devolvidas vivas”.  

Investigação continua

De acordo com o porta-voz do Museu das Tartarugas Marinhas de Kumejima, o qual está envolvido em atividades de conservação de tartarugas marinhas na vila de Kumejima, após o meio-dia de quinta-feira (14), recebeu um telefonema relatando que “as tartarugas marinhas estão enredadas”.   

Quando a equipe do Museu da Tartaruga Marinha os funcionários da prefeitura correram para a praia de Maja, do lado leste da ilha, pelo menos 30 tartarugas verdes estavam perto de uma rede usada para pesca no mar, a 50 metros da costa, quando a maré estava baixa. Elas já não conseguiam se mover.   

Elas já estavam morrendo por causa dos cortes feitos com lâminas afiadas no pescoço. Uma delas foi levada para o museu para análise detalhada de como morreu. No dia seguinte, depois do meio-dia, não havia mais mortas.

Yoshimitsu Tsukagoshi, chefe do Museu das Tartarugas Marinhas de Kumejima, disse: “Vai demorar muito até que as tartarugas possam se reproduzir. Lamento por esse tipo de incidente”.

A investigação detalhada continua. 

Fontes: NHK, FNN e Ryukyu Shimpo

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
UniFCV Japão - Educação a distância
Kumon - aprenda nihongo por correspondência