Bilionário japonês anuncia tripulação de artistas que ele levará em viagem à Lua

Maezawa está pagando a fatura para a viagem inteira de 1 semana que os levará para a Lua, em torno dela e de volta.

A imagem mostra o bilionário japonês Yusaku Maezawa (centro) e os escolhidos para viagem à Lua em 2023 (dearmoon)

O bilionário japonês Yusaku Maezawa disse nesta sexta-feira (9) que o artista de K-Pop Choi Seung-hyun, mais conhecido como T.O.P, e o DJ americano Steve Aoki estarão entre os 8 membros de tripulação que se juntarão a ele em uma viagem espacial privada para orbitar a Lua em 2023.

Publicidade

Maezawa, que se tornou o primeiro civil japonês a viajar para a Estação Espacial Internacional (ISS) no ano passado, revelou no Twitter e em um site os nomes das pessoas com as quais ele fará a jornada como parte do projeto “dearMoon” (querida Lua).

Eles embarcarão em uma nave espacial que está sendo desenvolvida pela empresa dos EUA SpaceX.

Os membros foram escolhidos a partir de 1 milhão de pessoas que havia se candidatado para a expedição. Maezawa está pagando a fatura para a viagem inteira de 1 semana que os levará para a Lua, em torno dela e de volta.

Outros membros da tripulação incluem o fotógrafo irlandês Rhiannon Adam, o ator indiano Dev Joshi e o americano Tim Dodd, criador de conteúdo para o YouTube sobre ciência de foguete.

Maezawa também anunciou que a dançarina japonesa Miyu e a snowboarder dos EUA, Kaitlyn Farrington, serão tripulação de auxílio.

O empresário, que fundou a grande varejista de moda online Zozo, convidou em março do ano passado pessoas que “se veem como artistas” pare se juntarem a ele em orbitar a Lua.

Durante sua viagem à ISS em dezembro do ano passado, Maezawa fez uploads de vídeos no YouTube capturando suas atividades.

Fonte: Mainichi

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Fim da política ‘zero Covid’ ameaça sobrecarregar a China com infecções

Publicado em 9 de dezembro de 2022, em Ásia

A nação mais populosa do mundo está abandonando rapidamente os testes em massa, lockdowns e quarentena centralizada que definiram a política rigorosa de 3 anos.

Funcionários com roupa de proteção limpam saguão de partida no Aeroporto de Pequim (ilustrativa/banco de imagens)

A China enfrenta uma tarefa assustadora após desistir abruptamente da política “Covid Zero”, com a possibilidade de aumento de infecções e número de mortes podendo passar de 2 milhões.

Publicidade

A nação mais populosa do mundo está abandonando rapidamente os testes em massa, lockdowns e quarentena centralizada que definiram a rigorosa política Covid zero de 3 anos.

Mesmo assim, pouco tempo foi gasto para colocar em curso medidas de mitigação necessárias para lidar com a resultante explosão nos casos, o que poderia totalizar 5,6 milhões por dia no pico, de acordo com algumas estimativas.

Ao contrário dos padrões dos surtos que ocorreram nos EUA e na Europa por meses e anos, a China provavelmente verá uma onda de infecções engolindo o país de uma vez em uma população que até agora evitou amplamente a exposição ao vírus.

Especialistas na ciência e economia fazem uma imagem de caos iminente, com o absenteísmo paralisando fábricas, doenças graves sobrecarregando hospitais e surtos forçando residentes a ficarem em suas casas.

Entre 1,3 milhão e 2,1 milhões de pessoas podem morrer, com base na experiência anterior de Hong Kong com a variante ômicron, de acordo com uma estimativa da empresa Airfinity sediada em Londres.

A China não será a primeira a fazer a transição da Covid zero, um processo navegado com vários graus de sucesso por Singapura, Hong Kong, Taiwan e Austrália.

Investidores têm estado mais animados. Indicações iniciais de que a China estava saindo da Covid zero encorajou os mercados financeiros da nação com expectativas de que a liberação de demanda contida estimularia os gastos do consumidor e conduziria a uma recuperação econômica.

Enquanto conviver com o vírus basicamente beneficiará a economia, o impacto inicial deve ser negativo.

O aumento de infecções limitará o crescimento econômico no fim de 2022 e início de 2023, diminuindo dos níveis já reduzidos e provavelmente caindo para menos de 3%, disse Larry Hu, chefe de economia da China no Macquaire Group.

As interrupções na fase inicial são provavelmente inevitáveis”, disse Hu. “As semanas que levam ao Ano Novo chinês provavelmente serão caóticas. Nesse período, políticas de governos locais provavelmente também vão variar, visto que a meta singular de trazer os casos de volta a zero se vai e eles são confrontados com uma série de novas tarefas”.

“A China não parece estar bem preparada para uma massiva onda de infecções por Covid e pode ter que pagar pelo seu adiamento e adotar uma abordagem de conviver com o coronavírus”.

Fonte: Bloomberg

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
Life Card - cartão exclusivo para brasileiros