Possibilidade do começo da 7.ª onda de infecção do coronavírus no Japão

É possível que seja um efeito rebote, mas também pode ser o início da 7.ª onda, ainda mais que as pessoas voltaram a sair.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Imagem estilizada do SARS-CoV-2 (Pixabay)

O número crescente de novos casos de infecção pelo coronavírus aponta sinais de efeito rebote ou emendando da sexta para a sétima onda, pois fazia 7 semanas que os números diários não chegavam a tanto.  

Publicidade

“Embora os novos casos diários estejam em alta, também podem ser consequência do feriado”, disse, escolhendo cuidadosamente as palavras, Takaji Wakita, diretor do NIID-Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, que preside o conselho consultivo, de assessoria ao MHLW-Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão.

Índice médio regular e sistema médico controlado, por enquanto

O índice médio do país, de pessoas testadas positivo, é de 240 a cada 100 mil habitantes, na última semana. Foi 1,04 em relação à semana anterior e não ultrapassou o da 6ª onda no início de fevereiro. Mas, em Okinawa o índice médio é o maior do país e já chegou a 414, quase o dobro da média nacional.

No entanto, teve o feriado do Dia do Equinócio da Primavera, quando as pessoas se deslocaram. Há que se considerar também que o número de testes PCR diminuiu.  

Ele apontou também que o sistema médico está controlado. Em 29 de março a taxa de ocupação dos leitos das províncias estava na faixa de 20 a 30%, enquanto em relação à dos leitos para pacientes em estado grave, a média é de 20% mas destacou que em 8 províncias é zero.

“Existe a possibilidade de que sinais do efeito rebote estejam começando a aparecer, mas não se pode dizer que houve expansão da infecção”, respondeu Wakita quando questionado sobre a sétima onda.

Causas da expansão

Ele analisa que na primavera há muitos eventos como festas de despedida, festas de boas-vindas aos novos colegas e outros transferidos, cerimônias de ingresso nas escolas e mais saídas do povo. A infecção aumenta à medida que as pessoas passam a ter mais contato com outras, como já ocorreu no passado.

Outro fator para o aumento é stealth omicron, subvariante BA.2, a qual tem infectividade é 1,25 vezes maior, o tempo para infectar outra pessoa é menor e a taxa de infecção é rápida.

Segundo estimativas do Instituto de Doenças Infecciosas, mais de 90% dos casos serão substituídos por BA.2 na primeira semana de maio, quando tem o feriado de Golden Week. Em Tóquio, estima-se que já tenha substituído 60% dos casos com resultado positivo.

O cada um pode fazer

A terceira dose da inoculação e imunidade de rebanho são as chaves, analisa.

Imagem ilustrativa da vacina contra covid (Flickr)

Uma das medidas contra a subvariante BA.2 é a vacina, como um dos supressores. Em um estudo da Universidade de Yokohama, as pessoas que receberam as 3 doses da vacina têm anticorpos eficazes contra a variante ômicron convencional e também para a BA.2.

A sexta onda tem o maior número de pessoas infectadas desta epidemia, pois a média é de 40 mil testados positivo ao dia, consideravelmente superior ao pico da quinta onda, de cerca de 26 mil.

Por isso, a recomendação do médico e especialista é ventilar bem o ambiente, principalmente agora que a temperatura facilita isso. Além disso, aqueles outros cuidados básicos como distanciamento social, higienização das mãos e uso de máscara.

Uma fonte da ANN, de um centro de saúde de Tóquio, disse que “a 7.ª onda já começou”. Por isso, recomenda fortemente a vacinação da terceira dose, como Wakita. 

Ventilação do ambiente (PxHere)

Fontes: ANN e Tokyo Shimbun

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Vacina da Novavax deve ser aprovada no Japão, a quarta disponível no país

Publicado em 1 de abril de 2022, em Sociedade

O governo já assinou contrato com a empresa para receber fornecimentos de 150 milhões de doses.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Frascos de vacina da Novavax e seringa (banco de imagens)

O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão deve aprovar uma vacina contra coronavírus desenvolvida pela gigante da biotecnologia dos EUA, a Novavax, após reunião de uma força-tarefa especial no fim de abril, de acordo com reportagem do jornal Mainichi.

Publicidade

Uma vez que receber aprovação, a vacina da Novavax será a quarta disponível contra covid-19 no Japão. O governo já assinou contrato com a empresa para receber fornecimentos de 150 milhões de doses.

O produto da Novavax é uma vacina de proteína recombinante que usa partes da proteína do coronavírus. O mecanismo da vacina é diferente daquelas já aprovadas no Japão – as vacinas de RNA mensageiro (mRNA) da Pfizer e a da Moderna e a vacina de vetor viral da AstraZeneca.

O imunizante da Novavax pode ser refrigerado a temperaturas de 2 a 8 graus Celsius, facilitando o transporte e gerenciamento.

Nos resultados provisórios de ensaios clínicos domésticos, uma reação imune ao coronavírus ocorreu após duas doses da vacina da Novavax ter sido administrada em um intervalo de 21 dias. A eficácia do imunizante foi de aproximadamente 90%. 

A vacina da Novavax deverá ser usada como reforço no Japão.

Fonte: Mainichi

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
UniFCV Japão - Educação a distância
Kumon - aprenda nihongo por correspondência