Ciclone Nisarga: Índia evacua 100 mil pessoas

Primeiro ciclone em 70 anos para a capital financeira de Mumbai causa correria para transferir pacientes de Covid-19 e higienizar abrigos temporários.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Ciclone Nisarga se aproximando da Índia na noite de terça-feira, 2 de junho (AccuWeather)

Pelo menos 100 mil pessoas incluindo pacientes de coronavírus foram transferidas para locais seguros, enquanto a costa oeste da Índia se preparar para um ciclone – a primeira tempestade do tipo a ameaçar Mumbai em mais de 70 anos.

Publicidade

Autoridades na capital financeira da Índia, que está enfrentando dificuldades para conter a pandemia de coronavírus, evacuaram cerca de 150 pacientes infectados de um prédio recentemente erguido para uma instalação com cobertura de concreto como medida de precaução, disseram oficiais na terça-feira (2).

O ministro chefe do estado de Maharashtra, Uddhav Thackeray, do qual Mumbai é a capital, disse que pessoas vivendo em casas frágeis perto da costa estavam sendo movidas para locais seguros antes do ciclone Nisarga tocar o solo no fim desta quarta-feira (3), hora local.

Mumbai raramente enfrenta a parte mais pesada de ciclones. A última tempestade severa a atingir a cidade ocorreu em 1948, matando 12 pessoas e deixando mais de 100 feridas.

O Nisarga chega pouco depois do ciclone Amphan, o qual matou mais de 100 pessoas quando ele atingiu o leste da Índia e Bangladesh em maio, destruindo fazendas e deixando milhões sem energia elétrica.

Fonte: The Guardian

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Protestos nos EUA afetam empresas japonesas

Publicado em 3 de junho de 2020, em Notícias do Mundo

Pelo menos uma concessionária da Honda nos EUA foi danificada quando os protestos ficaram violentos, disseram oficiais da montadora japonesa.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Protestos provocados pela morte de George Floyd continuam nos EUA (NHK)

Protestos contra racismo que se espalham pelos Estados Unidos começaram a afetar companhias japonesas que operam no país.

Publicidade

A Sony Interactive Entretainment LLC adiou um evento online para revelar games para o console PlayStation 5, a ser lançado no fim deste ano. A unidade da gigante japonesa da tecnologia Sony Corp. havia planejado realizar o evento na sexta-feira (5).

“Enquanto entendemos que jogadores no mundo todo estão ansiosos para ver os jogos do P5, sentimos que agora não é um bom momento para celebração”, de acordo com um post na conta oficial do Twitter da PlayStation.

Pelo menos uma concessionária da Honda nos EUA foi danificada quando os protestos ficaram violentos, disseram oficiais da montadora japonesa.

Não há informação sobre fábricas de montadoras japonesas nos EUA que foram gravemente afetadas. Entretanto, preocupações crescem em relação aos protestos em um momento quando a indústria está sendo esmagada pela pandemia de coronavírus.

O secretário-chefe do Gabinete, Yoshihide Suga, disse em uma coletiva de imprensa na terça-feira (2) que protestos afetaram algumas empresas japonesas que operam nos EUA, mas que não houve confirmação de pessoas feridas entre cidadãos japoneses.

Protestos nos EUA não mostram sinais de que vão acabar

Protestos provocados pela morte de George Floyd continuam nos EUA.

Milhares de pessoas se reuniram na terra natal de Floyd, no Texas, na terça-feira (2) para homenagear o homem negro desarmado que foi morto na custódia da polícia há 1 semana.

A família de Floyd se juntou ao memorial em Houston, entoando seu nome e segurando cartazes pedindo por justiça.

Protestos similares foram realizados em todo o país, a maioria pacíficos, mas alguns apelaram para a violência e vandalismo. De acordo com a Associated Press, pelo menos 9 pessoas morreram e mais de 5,6 mil foram detidas.

Fontes: Nippon, Jiji, NHK

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
UniFCV Japão - Educação a distância
Uninter - JAPÃO - Educação a distância