Russos fogem para a fronteira após anúncio de Putin sobre ‘mobilização parcial’

O presidente Vladimir Putin anunciou uma mobilização militar parcial na quarta-feira (21), a qual poderia ver 300 mil pessoas convocadas para servir na guerra da Ucrânia.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Na fronteira com a Georgia, filas de quilômetros de veículos se formaram (YouTube/Radio Free Europe)

Filas se espalharam ao longo da fronteira da Rússia quando homens tentavam sair do país a fim de evitar uma convocação militar para a guerra na Ucrânia.

Publicidade

O presidente Vladimir Putin anunciou uma mobilização militar parcial na quarta-feira (21), a qual poderia ver 300 mil pessoas convocadas para servir na guerra.

O Kremlin diz que reportagens sobre homens em idade de combate fugindo são exageradas.

Mas na fronteira com a Georgia, filas de quilômetros de veículos se formaram, incluindo homens tentando fugir para escapar da guerra.

Um deles, que não quis ser identificado, disse ao site BBC que pegou o passaporte e seguiu para a fronteira, sem levar mais nada, imediatamente após o anúncio de Putin, porque ele se encaixava no grupo que poderia potencialmente ser enviado para a guerra.

“Vou quebrar meu braço, minha perna, qualquer coisa para evitar a ordem”.

A Georgia é um dos poucos países vizinhos que os russos podem entrar sem precisar de visto. A Finlândia, que compartilha uma fronteira de 1,3 mil quilômetros com a Rússia, não exige visto para viagem, e também relatou um aumento no tráfego durante a madrugada, mas disse que estava a um nível gerenciável.

Os preços de passagens aéreas para outros destinos alcançáveis via ar, como Istambul (Turquia), Belgrado (Sérvia) ou Dubai (Emirados Árabes Unidos) dispararam imediatamente após o anúncio da convocação militar, com alguns destinos se esgotando completamente.

O ministro de Assuntos Internos da Alemanha sinalizou na quinta-feira (22) que russos fugindo da ordem seriam bem-vindos ao país.

Nancy Faeser disse que desertores ameaçados por “repressão severa” receberiam proteção caso a caso, após verificações de segurança. Lituânia, Letônia, Estônia e República Tcheca surpreenderam com um tom diferente, dizendo que não ofereceriam refúgio aos russos.

A convocação espalhou protestos em grandes cidades russas, incluindo Moscou e São Petersburgo, na terça-feira (20) resultando em 1,3 mil prisões reportadas.

Também houve relatos da Rússia de que alguns desses detidos por protestar receberam documentos com ordens enquanto sob custódia em delegacias. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, quando questionado sobre os relatos, disse que fazer isso não era contra a lei.

O presidente ucraniano Volodymr Zelensky pediu aos russos para resistir à mobilização durante seu discurso noturno na quinta-feira (22).

Referindo-se às mortes de russos na guerra, ele disse: Querem mais? Não? Então protestem. Lutem de volta. Fujam. Ou rendam-se para o cativeiro ucraniano”.

Autoridades russa insistem que a convocação será limitada àqueles que haviam completado o serviço militar.

Mas dentro da Rússia, há também especulação de que a mobilização militar poderia ser maior do que o formalmente anunciado.

O jornal independente Novaya Gazeta, que transferiu suas operações para a Europa em meio a uma repressão pós-guerra sobre a mídia, reportou que o decreto de Vladimir Putin contém um parágrafo adicional que foi classificado e mantido em segredo.

O Novaya Gazeta alega que o parágrafo secreto permite convocação de até 1 milhão de pessoas, ao invés das 300 mil reportadas, citando uma fonte não identificada do governo.

Fonte: BBC

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Depreciação do iene preocupa presidente da Toyota

Publicado em 23 de setembro de 2022, em Economia

Ele explicou que as desvantagens são maiores do que a vantagem pela depreciação da moeda japonesa e se preocupa com seus fornecedores.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Frente do Gran Ace da Toyota (HP)

Em uma coletiva de imprensa em Tóquio, na quinta-feira (22), o presidente da Toyota Motor, Akio Toyoda, comentou sobre a rápida desvalorização do iene, que chegou a 145 por dólar nesse dia

Publicidade

Para a Toyota, a depreciação de 1 iene em relação ao dólar americano aumenta o lucro operacional anual em 45 bilhões de ienes. No entanto, os preços das matérias-primas e da energia dispararam, impactando negativamente nas vendas de 1,7 trilhão de ienes no ano inteiro.

“A realidade é que as importações de materiais e peças estão aumentando, causando desvantagem por causa do aumento dos preços de importação e energia em expansão”, disse Toyoda, expressando um sentimento de crise sobre o impacto adverso na indústria automobilística.

O presidente da Toyota disse que o número de automóveis exportados do Japão diminuiu cerca de 20% em comparação com 10 anos atrás.

“Os fornecedores fabricantes de peçasdevem estar sendo afetados”, declarou, demonstrando sua preocupação em relação ao impacto negativo.

“Gostaria de pedir a estabilização do câmbio na medida do possível”, pontuou.

Fonte: Yomiuri

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
UniFCV Japão - Educação a distância
Kumon - aprenda nihongo por correspondência