O que é a geração Alpha? Conheça e saiba como lidar com ela

Conselhos práticos e informações atualizadas para ajudar você a enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades emocionantes de criar filhos nesta era digital.

Crianças entretidas com seus smartphones (banco de imagens)

Você já deve ter ouvido ou pronunciado a expressão: “Nossa, essa geração parece já ter nascido sabendo mexer no celular!”.

Publicidade

Realmente, é de se espantar com a velocidade com que as crianças e pré-adolescentes apresentam tamanha afinidade com todas as tecnologias. Estamos falando da geração Alpha.

A geração Alpha é composta por crianças ditas “digitais” nascidas a partir do ano de 2010. Já estão envolvidas com o mundo digital desde os primeiros meses de vida e isso faz com que estejam cada vez mais numa relação de intimidade com celulares, tablets e computadores. Além disso, conseguem acompanhar a velocidade com que a evolução tecnológica avança.

As Alphas, como são chamadas essas crianças hoje, chegam a interagir praticamente 100% do seu tempo com múltiplas telas para diferentes funcionalidades e essa enxurrada de informações, tanto as capacita para desenvolverem certas habilidades para lidarem com várias atividades ao mesmo tempo; quanto as prejudica levando-as a desenvolverem quadros de ansiedade, impaciência e dificuldades de concentração.

É aquela velha história de que tudo na vida tem dois lados: ao mesmo tempo que são consideradas as crianças mais inteligentes dos últimos tempos, também são elas que poderão ser causadoras de novos e futuros tipos de conflitos ou transtornos emocionais. Pouco se sabe sobre esta nova geração. Pesquisas estão sendo realizadas, mas os resultados ainda são rasos.

Relembrando as gerações: X, Y E Z

Vamos relembrar rapidamente como eram as gerações consideradas passadas?

Geração X (1960-1980): viu nascer os primeiros computadores e a sua principal preocupação era solidificar uma carreira profissional estável e duradoura. Inclui as pessoas da era baby boom, frutos da alta taxa de natalidade pós Segunda Guerra Mundial.

Geração Y (1980-1995): também conhecidos como Millennials, são os filhos da geração X, passaram pela popularização da internet na década de 1990 e, geralmente, tiveram condições econômicas melhores que as de seus pais. Foi uma geração marcada pelo imediatismo, busca por maior flexibilidade no trabalho, preocupação com o meio ambiente e hábito de praticar várias atividades ao mesmo tempo.

Geração Z (1995-2010): é composta por adultos que não sabem mais o que é ter uma vida sem celulares e tablets. São inovadores, não almejam permanecerem na mesma função para o resto da vida, já idealizam proverem famílias menores, são criativos e conectados.

Características da geração Alpha

Hiperconectada, questionadora e responsável pelo início de novas formas de se relacionar e ver o mundo, para esta geração não há mais separação entre a vida real e digital, ambos fundem-se e dão continuidade às gerações anteriores como as X, Y e Z.

Normalmente são filhos únicos (frutos de pais que já haviam modificado sua estrutura familiar) e estão acostumados com a exposição da próprias vidas nas redes sociais.

Os pré-adolescentes são mais engajados em questões ambientais se comparados às gerações anteriores, as crianças são mais observadoras e atentas.

Demandas vistas em consultório

Nos casos que venho recebendo no consultório, vejo o desconhecimento do mundo off-line por parte das crianças e sua profunda angústia ao se verem longe das telas por algumas horas, e isso preocupa muito os estudiosos sobre a saúde mental da geração Alpha. Também aumentou o número de pais em busca de orientação parental para aprenderem a lidar com os conflitos dentro de casa.

Além disso, muitos pais e/ou mães demandam psicoterapia com o objetivo de descobrirem suas próprias limitações e potencialidades, almejando serem pais cada vez mais adaptativos e que consigam levar a criação dos filhos da forma menos conflituosa possível.

Consequências psicológicas da geração Alpha

Cada vez mais as crianças anseiam por velocidade, querem respostas rápidas, aceleram a velocidade do áudio no aplicativo de mensagem e não conseguem mais esperar por algo que já se sentem ansiosas. Pois é, só para começar, já nos deparamos com as questões da angústia e ansiedade 

O ser humano nasceu para se relacionar. Somos seres sociáveis e precisamos da interação com o outro para nos constituirmos enquanto sujeitos, para aprendermos a nos diferenciar dos demais, aprendermos sobre limites, espaço, etc. Com a vida totalmente mesclada com as telas, a criança passa a se desenvolver sobre a comunicação muda, ou seja, mais recebe informações do que troca. Um exemplo comum disso é quando a mãe precisa do silêncio da criança, algo que só se consegue oferecendo um tablet ou celular. A criança fica quieta na hora!

É justamente essa queda da qualidade de interação com outro ser humano presencialmente que prejudica o desenvolvimento afetivo e social da criança.

Outro ponto para preocupação é a pouca idade associada ao fácil acesso dessas crianças à deep web (mais conhecido como o submundo da internet) sendo que seu aparelho psíquico ainda é imaturo para assimilar corretamente o que consegue assistir, causando possíveis conflitos internos com sintomas como enurese, pesadelos, insônia, síndrome do pânico, etc.   

Floco de neve, o que é?

Esta também é uma geração conhecida no meio acadêmico como floco de neve, que é uma de crianças vulneráveis e frágeis que, principalmente depois da pandemia, ficaram mais suscetíveis a desenvolverem dificuldades de aprendizagem. Essas crianças que, supostamente, não sabem lidar com frustrações, são inseguras, egocêntricas e hipersensíveis a críticas.

Esses comportamentos poderão ser melhores pesquisados com o tempo pois, como disse anteriormente, essa geração é nova e seus reflexos comportamentais virão depois. Mas, o que podemos afirmar desde já é que “as características que definem esse comportamento da geração Alpha, estão relacionadas à superproteção dos pais, devido a ‘síndrome do imperador’, onde crescem com alto grau de importância e grande proteção familiar em proporcionar todos os desejos dos seus filhos”, segundo citação de Dornelles, até porque os pais estão cada vez mais desejando ter menos prole, incluindo filhos únicos.

No entanto, sempre faço questão de nunca generalizar nada. É claro que temos crianças com outras características fazendo parte desta nova geração que não gostam ou usam as telas em momentos muito específicos, ou têm a sorte de serem filhos de pais extremamente conscientes dotados de recursos para lidarem com essa situação desde que nascem.

Como lidar com esta geração?

A solução ou a melhor forma de lidar com essa realidade geracional é compreender que a convivência com a tecnologia veio para ficar, não deve ser banida dos filhos, mas sim dosada. Outra forma de combate aos conflitos é a disposição dos pais para brincarem ao ar livre ou proporcionarem atividades lúdicas sem telas.

Os pais devem ensinar seus filhos que o problema não está nas telas, mas no mal uso delas. Vejam as dicas com relação às idades:

  • menores de 2 anos: evitar a exposição a qualquer tipo de tela
  • entre 2 e 5 anos: no máximo uma hora por dia, com supervisão e acompanhamento de um adulto responsável
  • entre 6 e 10 anos: no máximo duas horas de tela por dia, com supervisão de um responsável
  • entre 11 e 18 anos: não ultrapassar 3 horas por dia, também com supervisão de um responsável, e evitar o período noturno

Também não se recomenda fazer uso de telas durante as refeições e que, em casos de extrema necessidade, que os pais utilizem esporadicamente, em caráter emergencial.

Essas são indicações de especialistas no assunto, mas sabemos que no dia a dia pode parecer impossível seguir à risca, afinal de contas, o que em casa é controlado, na escola se descontrola por influência dos colegas.

No entanto, o mais importante é manter o bom senso e a monitoração.

Para mais orientações de como vocês, mãe e pai ou cuidadores, podem lidar melhor com seus filhos desta geração, entre em contato comigo pelos contatos a seguir. Será um prazer contribuir profissionalmente através de sessões de psicoterapia focada em Orientação Parental.

Psicóloga Flavia Shiroma de Paula

Se você deseja iniciar um processo de psicoterapia, não hesite em entrar em contato. Cuide sempre as sua saúde mental.

WhatsApp - Instagram

Os textos publicados nesta página não refletem necessariamente a opinião do Portal Mie, são de criação e responsabilidade do autor Psicóloga Flavia Shiroma de Paula

Flavia Shiroma de Paula (CRP 14/09688) – Psicóloga graduada pelo Centro Universitário Unigran Capital e pós-graduanda em Psicanálise pelo ESPE. Residiu no Japão por 10 anos. Atualmente realiza palestras para pais, alunos e professores e oferece atendimento clínico nas modalidades presencial
ou online.

Para solicitar informações sobre atendimentos:
Instagram: @psi.flaviadepaula (toque para abrir)
WhatsApp: +55-67-996707381 (toque para conectar)

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Top 10 dos alimentos que mais ajudam no emagrecimento

Publicado em 27 de maio de 2023, em Nutricionista Silvia Tsutsumi

Os 10 alimentos mais recomendados pela nutricionista em um processo de emagrecimento.

Imagem ilustrativa (banco de imagens)

Aqui estão 10 alimentos que mais recomendo aos meus pacientes que desejam emagrecer, por auxiliarem no processo devido às suas propriedades nutricionais e capacidade de promover saciedade.

Publicidade

Top 1 – Ovos

Os ovos são ricos em proteínas e fornecem uma sensação de saciedade duradoura, o que ajuda a controlar o apetite e reduzir a ingestão calórica.

Top 2 – Linhaça

A linhaça moída é uma excelente fonte de fibras solúveis, pois possui mais do que a chia e a aveia, e que ajudam a controlar a fome e estabilizar os níveis de açúcar no sangue. Ela também fornece energia de forma gradual, mantendo a sensação de saciedade por mais tempo.

Top 3 – Vegetais crucíferos

Brócolis, couve-flor, repolho e outros crucíferos são ricos em fibras e baixos em calorias. Eles também contêm fitoquímicos que podem ajudar na queima de gordura.

Top 4 – Peixes das profundezas do mar

Salmão, sardinha, atum e outros peixes gordurosos são fontes de proteína magra e ômega-3, que ajudam a reduzir a inflamação, melhorar o metabolismo e promover a sensação de saciedade.

Top 5 – Chás escuro

Os chás verde, preto, mate, hibisco, canela e matcha  são conhecidos por sua capacidade de aumentar o metabolismo e a queima de gordura. Também contém antioxidantes que podem ajudar na saúde geral.

Top 6 – Iogurte integral

O iogurte integral é rico em proteínas e pode auxiliar na sensação de saciedade. Além disso, contém bactérias probióticas benéficas para a saúde digestiva. Veja exemplos de iogurtes disponíveis no Japão aqui.

Top 7 – Frutas vermelhas

Morangos, mirtilos, framboesas e amoras são frutas de baixo teor calórico, ricas em antioxidantes e fibras, o que ajuda a controlar o apetite.

Top 8 – Quinoa

A quinoa é um grão integral rico em proteínas e fibras. Ela fornece energia duradoura e ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue.

Top 9 – Castanhas e nozes

As castanhas são uma excelente fonte de gorduras saudáveis, fibras e proteínas. Elas fornecem saciedade e são uma opção saudável de lanche. Aqui entram as amêndoas, castanha de caju e do Pará, e nozes, sendo que a quantidade dependerá de um indivíduo a outro.

Top 10 – Salada de folhas verde

Os folhosos verdes podem ajudar a reduzir a quantidade de alimentos consumidos nas refeições seguintes, devido à sensação de saciedade que proporcionam.

Lembrando que o emagrecimento saudável requer uma abordagem global, com uma alimentação equilibrada e a prática regular de atividade física. Consultar uma nutricionista pode ser útil para desenvolver um plano alimentar adequado às suas necessidades individuais

Nutricionista Silvia Tsutsumi –  WhatsAppInstagram

Veja também estas como emagrecer na primavera e verão com saúde.

Para quem busca orientações sobre nutrição e planos de dietas alimentares personalizados, entre em contato com a Silvia. Faça uma consulta e tenha suporte de uma profissional qualificada.

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Banco do Brasil - junto a comunidade no Japão
Kumon - aprenda japonês e tenha mais oportunidades!