Bridgestone fechará fábrica de pneus de avião em Hong Kong

A Bridgestone visa cortar os números de locais de produção no mundo em 40% até o fim de 2023.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

A gigante japonesa dos pneus concentrará operações na Tailândia (banco de imagens)

A fornecedora líder de pneus do Japão, a Bridgestone, disse na segunda-feira (11) que fechará uma fábrica em Hong Kong como parte de um esquema de reestruturação a fim de transferir capacidade para a Tailândia.

Publicidade

A planta relacionada a pneus de aeronaves fechará suas portas no fim de junho do ano que vem. Incluindo vendas associadas, o local empregava 102 pessoas desde 30 de abril. A companhia não revelou como os empregos serão afetados.

A Bridgestone vai concentrar e expandir capacidade de produção em sua fábrica na província de Chon Buri na Tailândia. O local absorverá as funções de distribuição de Hong Kong.

A planta tailandesa, construída em 2017, tem a vantagem de estar localizada perto dos clientes. Concentrar capacidade no local vai melhorar as eficiências logísticas para entregas.

A planta de Hong Kong abriu em 1991 e serviu como centro de distribuição para clientes em toda a Ásia e Oceania.

Fonte: Asia Nikkei

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

Japonês processa clube de golfe por discriminação: recusado como associado por ser ex-estrangeiro

Publicado em 12 de julho de 2022, em Sociedade

O japonês entrou com uma ação por ter sido recusado como associado do clube de golfe por ser ex-estrangeiro.

Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis! Poderia nos ajudar compartilhando esta página?
Obrigado pela sua opinião! Informaremos os responsáveis para melhorar! Volte sempre!

Foto meramente ilustrativa de martelo do juiz (PxHere)

Um japonês, na faixa dos 40 anos, residente na cidade de Kuwana (Mie), processou o Aichi Country Club, situado em Kani (Gifu), por ter sido recusado como associado pelo motivo de ser ex-estrangeiro.

Publicidade

Entrou com uma ação de danos pelo abalo psicológico sofrido, de 3,3 milhões de ienes, e a primeira sessão do julgamento foi realizada no Tribunal de Yokkaichi, sucursal do distrital de Tsu (Mie), na segunda-feira (11).

A parte do clube de golpe pediu indeferimento e mostrou vontade de lutar. “Senti a pior discriminação da minha vida. Quando serei japonês? Surgiram várias emoções como aborrecimento, compaixão e tristeza”, lamentou o que entrou com a ação.   

Ele era um cidadão sul-coreano e obteve a nacionalidade japonesa em 2018. De acordo com a denúncia, em fevereiro deste ano, foi convidado por um conhecido para uma partida de golfe no Aigi Country Club e solicitou a adesão. No entanto, depois disso, foi informado pelo clube que recusou a adesão, por telefone. Há uma cota de estrangeiros para se associar e nela estão incluídos os que adquiriram a nacionalidade japonesa.   

Ele alegou que o clube violou o artigo 14 da Constituição, que estipula “igualdade perante a lei“. Além disso, teve que explicar sua origem aos seus conhecidos, os quais o apresentaram ao clube de golfe e isso lhe causou danos emocionais.   

À medida que se difundem os esforços para eliminar a discriminação e almejar uma sociedade que respeite a diversidade, esse julgamento chama a atenção.

Fontes: Mainichi e Asahi

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
UniFCV Japão - Educação a distância
Kumon - aprenda nihongo por correspondência