Economia mundial enfrentará mais dificuldades em 2023

Após a crise econômica de 2020 induzida pela Covid, os preços do consumidor começaram a subir em 2021 enquanto países emergiam de lockdowns e de outras restrições.

O número de crises aumentou desde o início do século (ilustrativa/banco de imagens)

Esse era para ser o ano de retorno para a economia mundial após a pandemia de covid-19.

Publicidade

Mas 2022 foi marcado por uma nova guerra, inflação recorde e desastres ligados ao clima. Foi um ano “policrise”, um termo popularizado pelo historiador Adam Tooze.

Prepare-se para mais tempos difíceis em 2023.

“O número de crises aumentou desde o início do século”, disse Roel Beetsma, professor de macroeconomia na Universidade de Amsterdã “desde a 2ª Guerra Mundial que não vemos tal situação complicada”.

Após a crise econômica de 2020 induzida pela Covid, os preços do consumidor começaram a subir em 2021 enquanto países emergiam de lockdowns e de outras restrições.

Banqueiros centrais insistiram que a inflação alta seria apenas temporária enquanto as economias voltavam ao normal. Mas a invasão da Rússia à Ucrânia no fim de fevereiro fez com que os preços de energia e alimentos aumentassem.

Muitos países estão agora lutando contra crises de custo de vida porque salários não estão acompanhando a inflação, forçando famílias a tomarem escolhas difíceis em seus gastos.

Mas o Fundo Monetário Internacional (FMI) ainda espera que a economia mundial expanda em 2023, com crescimento de 2,7%. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) está prevendo um crescimento de 2,2%.

A pandemia de coronavírus, enquanto isso, continua sendo uma caixa de surpresas para a economia global.

A política zero Covid da China limitou crescimento na segunda maior economia do mundo, mas as autoridades começaram a relaxar restrições após protestos a nível nacional.

Mas para Beetsma, a maior crise é a mudança climática, que está “acontecendo em câmera lenta”.

Catástrofes naturais e provocadas pelo homem causaram US$268 bilhões em prejuízos econômicos até agora em 2022, de acordo com a gigante resseguradora Swiss Re.

Inundações no Paquistão resultaram em US$30 bilhões em danos e prejuízos econômicos neste ano.

Governos concordaram em conversas do clima das Nações Unidas (COP27) no Egito em novembro para criar um fundo destinado a cobrir prejuízos sofridos por países em desenvolvimento vulneráveis devastados por desastres naturais.

“Não é uma crise aguda, mas uma crise a termo muito longo, prolongada”, disse Beetsma. “Se não fizermos o suficiente isso nos afetará em escala sem precedentes”.

Fonte: Japan Today

+ lidas agora

> >

Vamos Comentar?

--

Peruano é preso pelo assassinato de membro da yakuza

Publicado em 8 de dezembro de 2022, em Crime

Ele foi preso antes por ter agredido o homem que posteriormente foi encontrado morto em um vão entre 2 prédios. Agora é o suspeito de assassinato.

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
ISA - Empregos no Japão
Uninter - JAPÃO - Educação a distância
Life Card - cartão exclusivo para brasileiros